Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Ambiente
Incêndios: Observatório Técnico Independente reuniu com agentes da protecção civil setubalense
ana maria santos
2019-03-14 / 16:10
FONTE: Sapo
Em reunião técnica realizada ao final desta manhã nos Paços do Concelho, a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, conduziu uma apresentação sobre diversas acções e projectos concretizados no território com vista à prevenção de incêndios florestais e rurais e à salvaguarda de pessoas e bens.

O Observatório Técnico Independente para Análise, Acompanhamento e Avaliação dos Incêndios Florestais e Rurais junto da Assembleia da República visitou Setúbal, esta manhã, para se inteirar do planeamento e boas práticas implementadas pelo município em matéria de protecção civil.

O Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios foi um dos assuntos em destaque no encontro, no qual participaram responsáveis de diversas forças de segurança e agentes de protecção civil com responsabilidades de intervenção no território setubalense.

O presidente do Observatório Técnico Independente, Francisco Castro Rego, fez um balanço positivo do trabalho municipal em matéria de protecção civil, referindo que a apresentação feita pela presidente da autarquia foi “extremamente interessante” e que a mesma demonstra, “muito claramente, a prioridade que o município consagra a esta questão.”

Para aquele especialista, entre as várias acções dinamizas pelo município, a maior parte de “grande relevância”, o destaque foi para o conjunto de iniciactivas direccionadas para a sensibilização, que considerou “bastante inovadoras”.

Francisco Castro Rego elogiou ainda o plano de mobilidade sustentável “Arrábida Sem Carros”, que a Câmara Municipal de Setúbal implementou a partir da época balnear de 2018, que rotula de “iniciativa de grande coragem e louvor” pelos benefícios alcançados na esfera da segurança.

“Um dos principais problemas encontrados nas zonas balneares diz respeito à segurança das pessoas e, nesse sentido, a gestão do tráfego é fundamental, não apenas em condições normais do quotidiano, mas, sobretudo, no caso de ocorrência de incêndios”, sublinha.

Numa análise global ao trabalho concretizado pelo município setubalense, o presidente do Observatório Técnico Independente avançou que existe um trabalho muito positivo no que respeita a planeamento e acções concretas com vista à prevenção de incêndios florestais e rurais.

Contudo, advertiu, “nunca podemos dizer que estamos 100 por cento seguros e, por isso, não pode haver satisfação com o que já está feito.” Por isso, adiantou, “apesar de Setúbal estar no bom caminho, a pressão tem de ser contínua com o objectivo de melhoria constante.”

Além da referida reunião, de carácter técnico, na agenda do Observatório Técnico Independente para Análise, Acompanhamento e Avaliação dos Incêndios Florestais e Rurais junto da Assembleia da República esteve ainda uma visita ao Parque Natural da Arrábida.

A criação do Observatório Técnico Independente, estrutura destinada a avaliar incêndios florestais e rurais que ocorram em território nacional, foi aprovada pela Assembleia da República a 18 de Julho de 2018 e, depois de promulgada e referendada, foi publicada como Lei n.º 56/2018, a 20 de Agosto, em Diário da República.

A referida estrutura tem ainda como objectivo prestar apoio científico às comissões parlamentares com competência em matéria de gestão integrada de incêndios rurais, protecção civil, ordenamento do território, agricultura e desenvolvimento rural, floresta e conservação da natureza.

O observatório é composto por 10 técnicos especialistas de reconhecido mérito nacional e internacional, com competências no âmbito da protecção civil, prevenção e combate aos incêndios florestais, ciências climáticas, ordenamento florestal e comunicações e análise de risco.

Partilhe
ver mais