Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Ambiente
Mitrex 2018: simulacro testa meios e capacidade de resposta em situação de emergência
ana maria santos
2018-11-12 / 23:50
FONTE: SMCI/CMS
O Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros de Setúbal realiza, na próxima sexta-feira, 16 de Novembro, mais um simulacro de teste aos meios disponíveis, materiais e humanos, a serem utilizados perante um cenário de emergência, no caso em concreto a ocorrência de um derrame e dispersão de uma nuvem de vapor de substância perigosa. O exercício vai decorrer em Praias do Sado e envolve diversos participantes, num total de cerca de seis mil pessoas.

O descarrilamento de um vagão cisterna, na linha ferroviária do Sul, em Praias do Sado, seguido de derrame e dispersão de uma nuvem de vapor de amoníaco, foi o cenário criado para a realização do simulacro Mitrex 2018, exercício de treino das capacidades de coordenação entre os agentes de protecção civil do concelho de Setúbal.

Apresentado, esta manhã, em conferência de imprensa, o exercício a realizar na próxima sexta-feira, resulta da necessidade de revisão do Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Setúbal e no qual irão estar envolvidas cerca de seis mil pessoas, bem como perto de três dezenas de entidades.

Organizado pela Câmara Municipal de Setúbal, o Interop Mitrex 2018 Safsec simula uma ocorrência complexa, com necessidades de protecção e socorro em diferentes momentos, para além da própria a gestão da emergência.

"Este acidente irá pôr à prova não apenas as nossas capacidades de socorro, mas também as capacidades de todos os agentes de protecção civil do concelho, assim como as aptidões das empresas da península da Mitrena", afirmou a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, no decorrer da apresentação do exercício.

Segundo referiu a autarca, parte fundamental do exercício Mitrex 2018 "é a coordenação entre os múltiplos meios envolvidos", até porque, apontou, "trata-se de um acidente com muitas implicações, em plena zona industrial, mas que é também uma área residencial".

A presidente da autarquia salientou ainda que a realização deste tipo de simulacros "é uma vertente fundamental da actividade de protecção civil" que permite "afinar melhor os procedimentos, compreender se os meios disponíveis são adequados e entender como responde todo o aparelho municipal a uma situação deste tipo", um “bom exemplo”, disse, “para os governantes nacionais” uma vez que “este é um trabalho que nos orgulha e pelo qual estão de parabéns todos os envolvidos na sua elaboração”.

Aliás, sublinhou, para "garantir o bem supremo que é a segurança das populações", todo o investimento em matéria de protecção civil "nunca pode ser entendido como excessivo", razão pela qual, alertou, "é necessário pensar e decidir sobre meios de financiamento que devem ser disponibilizados para essa função".

Para o vereador da Proteção Civil, Carlos Rabaçal, o Mitrex 2018 é dinamizado "numa lógica de trabalho regular e essencial para a qualificação de todos os agentes do território", enquanto que Paulo Lamego, comandante da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal, e responsável pelo comando operacional das operações em território abrangido pelo Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Setúbal e que, segundo o coordenador do Serviço Municipal de Protecção Civil de Setúbal, José Luís Bucho, é uma simulação que será real, muito embora sem dia e hora marcados. “Há probabilidade de acontecer um acidente e, nesse caso, a resposta real é esta que vamos treinar neste teste de âmbito municipal."

O simulacro, entre outros, conta com actuação do Grupo de Intervenção em Matérias Perigosas da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal, o "único do género existente a sul do rio Tejo" cujos custos de manutenção são assegurados pela Câmara Municipal de Setúbal.

A identificação de pontos críticos na rede de mobilidade urbana na Mitrena e o treino de evacuações em massa são também objectivos definidos no Mitrex 2018, o qual constituiu, igualmente, uma oportunidade para a revisão de planos de emergência, tanto das empresas como a nível municipal.

Partilhe
ver mais