Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Emprego Saúde Ambiente Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Cultura
Bicentenário: autarquia sadina inaugura mostra sobre vida e obra de António Maria Eusébio
ana maria santos
2019-06-03 / 16:20
FONTE: SMCI/CMS
No ano em que se comemora o bicentenário do nascimento de António Maria Eusébio, o “Cantador de Setúbal”, a autarquia sadina reuniu diversos documentos sobre a vida e obra do poeta popular setubalense, os quais vão estar expostos no Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, a partir das 18 horas de dia 8 do corrente mês.

Agendada para as 18 horas de 8 de Junho, a exposição sobre a vida e obra do poeta popular setubalense integra a mostra "Biobibliografia – O Cantador de Setúbal, António Maria Eusébio, O Calafate – 1819-1911", no âmbito do programa que a Câmara Municipal, em parceria com diversas entidades, promove para assinalar o bicentenário do nascimento do improvisador e cujo programa comemorativo está a decorrer desde Dezembro do ano passado, incluindo, ao longo de 2019, exposições, actuações musicais, conferências, apresentação de livros, actividades de poesia e performances cénicas.

A exposição a ser inaugurada no próximo fim-de-semana é composta por documentos do acervo da autarquia, do Clube de Coleccionismo de Setúbal, de António Correia, de José Peres Claro, de António Cunha Bento, Francisco Borba, António Madureira Lopes e António Galrinho.

Nascido a 15 de Dezembro de 1819, na antiga rua dos Marmelinhos, no Bairro de Troino, Calafate relatou em poemas e cantigas a evolução do burgo setubalense do seu tempo, decisivo período de reconfiguração histórica e social que marcaria a transição do século XIX para o século XX português, com imediatas repercussões locais.

Pelo meio dos agitados 365 dias de 1910, o cronista setubalense, encorpado e de voz grossa, retratou a passagem do regime monárquico para o republicano, os confrontos entre patrões e operários, senhorios e inquilinos, os ideais socialistas e conservadores e os pescadores setubalenses.

Cantou ainda sobre a própria vida, desde a infância, sobre Bocage e sobre acontecimentos nacionais e mundiais, como a passagem do cometa Halley, em 1910.

A Câmara Municipal de Setúbal, o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, o Rotary Club de Setúbal, o Arquivo Distrital de Setúbal, a Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão, a Associação Casa da Poesia, o Centro de Estudos Bocageanos e a Universidade Sénior de Setúbal organizam as referidas comemorações.

Partilhe
ver mais