Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Cultura
CANAL irá colocar a descoberto os segredos do rio Sado
ana maria santos
2018-02-08 / 16:04
FONTE: CMAS
Está concretizada a assinatura do contracto de comodato entre o município de Alcácer do Sal e a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que estabelece, na localidade de Ameira, a sede do CANAL - Centro de Arqueologia Náutica do Alentejo Litoral, através do qual se irá concretizar o projecto de investigação científica e académica de exploração do património cultural subaquático do rio Sado.

Na cerimónia, que teve lugar nas instalações do CANAL a 7 de Fevereiro, marcaram presença, entre outros, a secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, a presidente da Assembleia Municipal de Alcácer, o comandante do Porto de Setúbal e a directora Regional de Cultura do Alentejo.

"É uma honra imensa assinar este contracto junto a este nosso rio de culturas", referiu o presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, no início da sua intervenção, na qual salientou o interesse do município na preservação da sua história. "É a memória que nos projecta para o futuro, por isso a assinatura deste contracto tem uma carga simbólica muito grande", acrescentou, referindo ainda, relativamente às instalações onde irá funcionar o Centro, que tinha "a expectativa de ali poder albergar um projecto como este, extraordinariamente interessante", que abrirá "portas imensas com o trabalho que já está a ser desenvolvido".

Alexandre Monteiro, responsável pelo projecto, manifestou a sua satisfação ao ver aquela obra crescer, frisando que o rio tem "um manancial imenso, com um potencial enorme histórico-arqueológico". "Temos os parceiros indicados para este projecto. Conseguiremos fazer o rio falar e contar a sua história", disse na ocasião.

Também o director da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Francisco Caramelo, enalteceu a ligação da faculdade "a este ilustre e esclarecido município, que reconhece a importância do seu património" e sublinhou a vontade da Universidade Nova em "estreitar relações e fazer do património algo com valor".

Maria Fernanda Rollo, secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, interveio também neste acto solene, tendo frisado no seu discurso "a responsabilidade de todos de olhar pelo património, biodiversidade e riqueza do imenso conhecimento transmitido pelos nossos antepassados".

Para a secretária de Estado, o projecto do CANAL pode mesmo ajudar no combate ao insucesso escolar, num mundo em que muitas das profissões actuais vão desaparecer e é um risco não prosseguir os estudos até ao ensino superior. "Imaginei esta coisa fantástica, neste cenário mágico de Alcácer, e acompanhei a visão do doutor Alexandre. É preciso coragem e acreditar e temos aqui pessoas com vontade de ajudar e inovar”, concluiu.

Recorde-se que em Setembro de 2015 aquela autarquia, o Instituto de Arqueologia e Paleociências e o Instituto de História Contemporânea da FCSH/UNL,  firmaram um protocolo de cooperação para investigar o património subaquático, entre a cidade e a feitoria fenícia de Abul, nascendo assim o projecto do Centro de Arqueologia Náutica do Alentejo Litoral.

O CANAL propõe-se a localizar, identificar e caracterizar naufrágios ou outras estruturas submersas naquela área, a  determinar a natureza histórico-arqueológica da paisagem cultural marítimo-fluvial da região, a desenvolver o potencial turístico-arqueológico do território, a formar os participantes em arqueologia fluvial e subaquática, através da implementação de projectos internacionais de arqueologia náutica, a sensibilizar a população para a importância da memória ligada ao Sado e a necessária preservação do seu património flúvio-marítimo e na realização de "Escolas de Verão" para estudantes de arqueologia, mergulhadores e pescadores.

Partilhe
ver mais