Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Cultura
Dia Internacional da Protecção Civil: simulacros nas escolas do concelho de Setúbal ensinaram às crianças medidas de segurança
ana maria santos
2019-03-01 / 19:31
FONTE: SMCI/CMS
No Dia Internacional da Protecção Civil foram realizados, nas escolas públicas do concelho de Setúbal, simulacros que tiveram como objectivo ensinar às crianças os procedimentos de segurança a tomar, em caso de ocorrência de um sismo de média a grande dimensão.

Em todas as escolas públicas do concelho a manhã de hoje teve uma “aula” diferente. As crianças integraram os simulacros levados a cabo pelo Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros, os quais tiveram início cerca das 10 horas, após um suposto abalo sísmico e as medidas que são necessárias adoptar para evitar danos físicos.

No simulacro que a Divisão de Comunicação que a Câmara Municipal de Setúbal acompanhou, na EB n.º 2 de Santa Maria, os alunos e a professora da turma 4.º B, seguiram os procedimentos que, à mesma hora e nas restantes escolas públicas, eram ensinados às crianças: protegerem-se debaixo das mesas em posição fetal, com as mãos sobre a cabeça e aguardando ordem para se dirigirem a um ponto de encontro, pré-definido e, no caso daquele estabelecimento de ensino, foi o campo de jogos da escola. Passados 25 segundos os professores organizaram as crianças junto das portas de emergência, em fila indiana.

Segundo Jorge Parrulas, técnico do SMPCB - Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros, o tempo decorrido até ao segundo toque depende da duração da onda sísmica. “Normalmente, a primeira onda sísmica dura entre 25 a 50 segundos. Assim que para, podemos sair da posição de autoprotecção”.

Seguidamente, as crianças vão saindo da sala e sendo encaminhadas, ordeiramente e por caminhos previamente estabelecidos, para o ponto de encontro, definido no plano de segurança escolar, em caso de emergência.

O exercício, que assinala o Dia Internacional da Protecção Civil, foi desenvolvido pela Câmara Municipal de Setúbal, através do Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros, em conjunto com os agrupamentos verticais de escolas do concelho.

O cenário para o simulacro foi o do sismo ocorrido a 28 de Fevereiro de 1969, com uma magnitude de 7,9 na escala de Richter, sentido em Setúbal com uma intensidade de nível VI, na escala de Mercalli.

Partilhe
ver mais