Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Cultura
Encontro: Almeida Carvalho na percepção urbana e local de Setúbal
ana maria santos
2017-09-08 / 23:28
FONTE: SMCI/CMS
A importância de aliar a arqueologia urbana à história local para melhor perceber o passado foi destacada, ontem de manhã, 8 de Setembro, na sessão de abertura de um encontro a decorrer na Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal.

As Jornadas de Arqueologia Urbana e História Local, que integram as comemorações do bicentenário do nascimento do setubalense João Carlos d’Almeida Carvalho, organizadas pela Câmara Municipal de Setúbal com parcerias, reúniram, ontem e hoje, um conjunto de especialistas para partilhar e debater conhecimentos sobre aqueles dois temas para os quais Almeida Carvalho deu um contributo determinante.

“Este encontro é um testemunho que queremos deixar de que nunca é vã a dedicação de uma vida inteira ao estudo, à pesquisa e à partilha dos conhecimentos adquiridos, não raras vezes com muito esforço e sacrifício”, disse na sessão de abertura o vereador com o pelouro da Cultura, Pedro Pina.

O autarca saudou a homenagem que tem sido feita, desde março, com um conjunto diverso de iniciativas, “a um ilustre conterrâneo a quem a presente narrativa da história local tanto deve”, conseguida graças a uma parceria entre a Câmara Municipal o MAEDS - Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, Associação de Municípios da Região de Setúbal, Câmara Municipal de Setúbal, Arquivo Distrital de Setúbal, Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão e Universidade Sénior de Setúbal.

O encontro de ontem foi mais uma iniciativa de“celebração da memória de Almeida Carvalho que foi pioneiro nos domínios da arqueologia urbana e da história local”, além de permitir fazer uma “viagem pela história de Setúbal”, sublinhou a diretora do MAEDS, Joaquina Soares.

Em 1985, o MAEDS realizava em Setúbal o primeiro encontro nacional de Arqueologia Urbana e, volvidos 32 anos, este tema é trazido novamente para debate desta vez “em estreita aliança com a história local”.

Joaquina Soares considerou que se trata de uma relação importante, pois, recorda, quando o MAEDS foi fundado em 1964, “Setúbal era uma cidade cujo passado começava apenas com a monarquia portuguesa”.

O museu iniciou nesse momento a investigação sobre as pré-existências de Setúbal e, na década de 70, recuperou o passado romano guardado no subsolo da cidade.

A responsável apontou como exemplo desse trabalho as escavações na Praça de Bocage que“foram a maior exposição a céu aberto alguma vez realizada sobre a história urbana da época romana à idade contemporânea”.

O encontro, a decorrer no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, está focado na união entre a arqueologia urbana e a história local, na esteira do pensamento do homenageado, que procedeu a intensa recolha, classificação e estudo de vasto acervo historiográfico e fundou a Sociedade Archeologica Lusitana, em 1849.

O evento reúne investigadores e especialistas, nomeadamente Joaquina Soares, Carlos Tavares da Silva, Albérico Afonso Costa, Carlos Mouro, Maria João Cândido, Ernesto Castro Leal, Maria João Pereira Coutinho, Isabel Macedo, Alberto Pereira, Horácio Pena, Fernando António Batista Pereira e Fátima de Medeiros.

Passados duzentos anos sobre o nascimento, a vida e obra de Almeida Carvalho continuam a ser referências fundamentais para a cidade e a região de Setúbal, pelo que a primeira manhã das jornadas foi dedicada à apresentação de comunicações sobre os contributos que deixou sobre estes temas, tendo em conta a visão vanguardista que o levou a estudar o passado, recorrendo quer à arqueologia, quer à historiografia.

Durante a tarde de ontem, entre outros temas, Carlos Tavares da Silva e Joaquina Soares apresentaram um esboço paleogeográfico da Baixa de Setúbal, Pedro Miguel Lage Fernandes falou sobre as antigas quintas do concelho, Isabel Macedo partilhou uma comunicação sobre a casa da Comenda de Raul Lino e Fernando António Batista Pereira recordou os registos que Almeida Carvalho deixou sobre o Convento de Jesus.

Destaque ainda para o primeiro dia de jornadas para a cerimónia de descerramento de uma placa comemorativa do bicentenário do nascimento de Almeida Carvalho, previsto para as 16.20, na casa onde o homenageado nasceu, viveu e morreu, na Avenida Luísa Todi, em frente do antigo Quartel do 11, atual Escola de Hotelaria e Turismo e Setúbal, onde decorrem as jornadas.

O encontro prossegue hoje com outros contributos sobre a arqueologia e história local, como uma comunicação, às 9.50h, sobre o feriado municipal e a memória coletiva setubalense, por Carlos Mouro.

De seguida, Maria João Cândido, arqueóloga da Câmara Municipal de Setúbal, fala sobre o Convento de Jesus e a sua cerca, e, às 10h30, o contexto da Avenida Luísa Todi aquando do sismo de 1755 está em análise numa comunicação de Joaquina Soares, Carlos Tavares da Silva e Susana Duarte.

Os resultados de uma intervenção arqueológica na Rua Arronches Junqueiro, uma análise sobre as indústrias de conservas de peixe em Setúbal durante a Grande Guerra e a crise industrial local são outros temas em destaque.

Partilhe
ver mais