Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Economia
Movimentação nos portos nacionais dão sinais de crescimento
ana maria santos
2018-05-30 / 22:33
FONTE: Youtube
Os portos nacionais estão, desde Março do corrente ano, a dar sinais de retoma na movimentação de mercadorias, segundo dados hoje divulgados pelo gabinete da ministra do Mar.

Os dados divulgados pela AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes mostram que os portos do continente registaram, no primeiro trimestre de 2018, uma movimentação de 21,9 milhões de toneladas de mercadorias, o que representou um recuo de 10,9 por cento face ao ano transacto, muito embora, nos meses de Março e, Abril já se tenham denotado sinais de retoma que apontam “para um regresso à tendência de crescimento”, segundo um comunicado hoje divulgado pelo gabinete da ministra do Mar.

Segundo o mesmo, os dados do primeiro trimestre “espelham um início de ano com maiores dificuldades para a operação portuária, devido a factores externos, como as condições climatéricas adversas, que atrasaram entradas e saídas de navios em porto e afectaram várias operações”, para além do “impacto da evolução dos resultados do porto de Sines no total portuário nacional – um porto que detém mais de 50 por cento do total de carga nos portos do continente”.

Tal como referido na nota de imprensa,  no porto de Sines, as operações “para além de terem sido condicionadas pelas condições climatéricas adversas, foram também afectadas pelas paragens técnicas de algumas importantes unidades produtivas da região”, factos pelos quais nos primeiros três meses do ano, Sines “perdeu 2,5 milhões de toneladas, o que representou uma redução de 18,5 por cento face ao período homólogo de 2017, contribuindo de forma decisiva para o recuo do sistema portuário nacional”.

Contudo, com a estabilização das condições climatéricas e das operações portuárias, “surgiram os primeiros sinais de recuperação”, sendo que, por exemplo no Porto de Leixões, “depois de registar um primeiro trimestre com uma quebra acumulada de 4,67 por cento (fortemente impactado pelas condições climatéricas que fizeram perder 20 por cento de carga no mês de Março), registou um excelente mês de Abril (+16 por cento) e já está a crescer no primeiro quadrimestre deste ano face ao mesmo período de 2017 (+0,47 por cento)sendo importante lembrar que 2017 foi o melhor ano de sempre no porto de Leixões”.

Ainda segundo o gabinete da ministra, “também o porto de Lisboa já mostra sinais de retoma e, depois de registar quebras nas movimentações de Janeiro e Fevereiro, evidenciou sintomas de recuperação em Março, que se confirmaram no mês de Abril e que resultaram já num aumento de 2,5 por cento no tráfego de Granéis Sólidos no presente quadrimestre, quando comparado com os primeiros quatro meses de 2017”.

Igualmente no primeiro quadrimestre de 2018, o porto de Aveiro movimentou perto de 1,8 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 8,71 por cento face ao período homólogo de 2017, mantendo assim a trajectória de crescimento acentuado que já tinha ficado evidente no ano passado.

2018 deverá ser novo ano de vários recordes

Apesar do primeiro trimestre abaixo das expectativas, “a movimentação de mercadorias no sistema portuário nacional está a regressar aquilo que tem sido a normalidade dos últimos anos: o crescimento ano após ano”, é referido na mesma nota.

No porto de Lisboa, as perspectivas apontam para um 2018 a crescer, sendo de prever que termine o exercício com um aumento de movimentação de mercadorias na ordem dos 3 por cento que, a confirmar-se, fará deste “o melhor ano de sempre da última década”, garante o referido ministério.

Por outro lado, e no que refere ao porto de Sines, o Governo prevê que “o segmento de contentores continue a tendência de crescimento dos últimos anos, com estimativas de um aumento acumulado na ordem dos 5 por cento em 2018”, enquanto que no porto de Aveiro, depois de um primeiro trimestre recorde, “é de prever novo ano de máximos (as estimativas apontam para que cresça 2 por cento em 2018), depois do volume histórico alcançado em 2017”.

Relactivamente ao porto de Setúbal, o mesmo “registou uma ligeira quebra de -1 por cento no primeiro trimestre mas isso não deverá impedir que feche o ano com um crescimento significativo de 9 por cento”.

Figueira da Foz, outro dos portos de referência a nível nacional, “depois de um recuo de -1,5 por cento no primeiro trimestre, as perspectivas apontam para um crescimento de 2 por cento no acumulado anual”.

No comunicado hoje divulgado, o gabinete da ministra refere que, no que diz respeito às perspectivas globais para o ano 2018, “as previsões apontam para um novo máximo histórico no segmento dos Contentores, que deverá crescer mais de 3 por cento e ultrapassar a fasquia dos 3 milhões de TEU’s, o que será um feito inédito no sistema portuário nacional”.

Partilhe
ver mais