Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Economia
Não resolução do conflito na Autoeuropa seria "derrota para portugueses"
ana maria santos
2018-01-05 / 12:19
FONTE: Youtube
O responsável da empresa representante da marca Volkswagen em Portugal, Pedro Almeida, afirmou hoje que seria uma "derrota para os portugueses" se o conflito laboral na fábrica do grupo alemão de automóvel Autoeuropa não se resolver.

Na apresentação dos resultados da SIVA -- Sociedade de Importação de Veículos Automóveis, em Lisboa, o responsável começou por afirmar que não está preocupado com os conflitos atuais devido a horários e afastou a hipótese de a entrega de veículos ficar afetada.

"Mas tem que se resolver. É uma derrota para os portugueses se não se resolver", sublinhou, porém, Pedro Almeida, referindo estar a analisar "de fora".

O responsável do importador notou que o construtor alemão poderia encontrar uma solução se houvesse falha na produção prevista, como deslocalizar a fábrica. "Mas não acredito que isso vai acontecer", afirmou.

Pedro Almeida lembrou ainda o peso da fábrica de Palmela no Produto Interno Bruto (PIB) nacional e a criação de emprego, pelo que "não entende que não se chegue a um entendimento", referindo ainda o "absurdo da discussão".

Licínio de Almeida, diretor-geral da Volkswagen Portugal, informou que atualmente o novo modelo da marca, produzido na Autoeuropa, o T-Roc, demora a entregar entre dois a três meses, afirmando que a "produção está a seguir o idealizado".

Em Portugal, e com a diversificação de opções deste veículo SUV, o dirigente acredita que o T-Roc "rapidamente chegue aos 10%" de vendas.

Depois da rejeição de dois pré-acordos sobre os novos horários negociados previamente com os representantes dos trabalhadores, a administração da Autoeuropa anunciou a imposição de um novo horário transitório, para vigorar no primeiro semestre de 2018, e a intenção de dialogar com a Comissão de Trabalhadores (CT) no que respeita ao horário de laboração contínua, que deverá ser implementado em agosto, depois do período de férias.

O novo horário transitório, que entra em vigor nos últimos dias do mês de janeiro, com 17 turnos semanais, prevê o pagamento dos sábados a 100%, equivalente ao pagamento como trabalho extraordinário, acrescidos de mais 25%, caso sejam cumpridos os objetivos de produção trimestrais.

Os trabalhadores da Autoeuropa aprovaram em dezembro uma proposta para uma greve de dois dias, em 02 e 03 fevereiro.

A SIVA integra o conjunto de empresas que constituem o Grupo SAG, para a distribuição das marcas do grupo Volkswagen no mercado português - Volkswagen, Audi, Bentley, Lamborghini, Skoda e Volkswagen Veículos Comerciais -, segundo a informação disponível na sua página na internet.

Por Lusa

Partilhe
ver mais