Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Economia
Protestos no Porto de Setúbal: Autoeuropa começa a perder a paciência
ana maria santos
2018-12-13 / 22:37
FONTE: Sapo
A Autoeuropa, localizada em Palmela, poderá parar já esta semana, por tempo indeterminado, e sem se saber que consequências essa mesma paragem irá representar para o normal funcionamento da empresa em Portugal.

A paragem de produção, por tempo indeterminado, na Autoeuropa está em cima da mesa e pode mesmo levar a empresa a optar que outros portos de países europeus sejam os definidos para receber os motores que, até agora, chegavam através do porto de Setúbal.

A decisão, que parte da administração alemã do grupo Volkswagen (que se quer reunir com o primeiro-ministro, António Costa) , tem por base a greve e posterior impasse que, desde há mais de um mês, se instalou no porto de Setúbal onde os trabalhadores precários se encontram em protesto por vários direitos, nomeadamente o vinculo contractual.

Neste momento, a empresa de Palmela está parada, tem mais de 22 mil carros estacionados nos parques da fábrica e, também, na base aérea do Montijo e no terminal de Setúbal e a paragem, programada para a época natalícia, que seria para decorrer entre os dias 22 deste mês e 4 de Janeiro, pode acontecer já esta semana.

Sendo, económicamente, a maior empresa localizada no distrito de Setúbal, a Autoeuropa (e todas as empresas, satélite), dá emprego a milhares de pessoas residentes na região e tem sido, até ao momento em que começaram os protestos no porto de Setúbal, a fábrica prioritária para receber motores para a fabricação do modelo T-ROC, devido ao enorme volume de encomendas internacionais.

De sublinhar que, para além de todo este cenário incerto para milhares de trabalhadores, o sindicato dos Estivadores anunciou, ontem, que o prolongamento da greve irá decorrer “por tempo indeterminado”.

De referir, igualmente, que p Governo reuniu com operadores portuários, empresas de trabalho portuário e sindicato de estivadores mas, até ao momento, não foi possível chegar a um acordo que ponha fim ao protesto dos estivadores precários.

Partilhe
em destaque
Bloco de Esquerda reuniu com “Plataforma Cívica Aeroporto BA6-Montijo Não”
Semana Europeia da Mobilidade: Palmela promove Curso de Eco-condução
Setúbal: aumentam as temperaturas e o risco de incêndio
Grécia: GNR auxilia 17 migrantes na ilha de Lesvos
ver mais