Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Emprego Saúde Ambiente Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Economia
Setúbal: Convento de São Francisco à venda por quase cinco milhões de euros
ana maria santos
2019-04-15 / 21:46
FONTE: Sapo
Construído em 1410, em terrenos doados por D. Maria Eanes Escolar, filha de João Gonçalves Escolar, vedor da fazenda de D. Fernando, numa das encostas do Forte de São Filipe e em área, actual, do Parque Natural da Arrábida, o Convento de Sâo Francisco está, na página da Estamo (empresa pública que gere o património do Estado) colocado à venda, desde o início desta semana, por 4.990.00,00 euros. O prazo limite para aceitação de propostas dos interessados na aquisição termina a 5 de Maio.

Construído para albergar elementos masculinos, o Convento de São Francisco é uma das edificações, religiosas, mais antigas da cidade de Setúbal e, provavelmente, uma das mais esquecidas, ou ignoradas, da história local.

A área vendável é de 62,220 m2 (segundo consta do registo predial) e, na página da Estamo é possível ver-se que o imóvel é descrito como “ruína do Antigo Convento de São Francisco e cinco blocos residenciais e turísticos construídos nos anos 90 pela Casa Pia”, podendo o mesmo servir para habitação, hotel, aparthotel, residências seniores assistidas ou equipamento de saúde.

No entanto, segundo o actual  Plano Director Municipal de Setúbal (PDM), que se encontrava em vigor mas que está em revisão, o mesmo permite/ia a construção de cerca de 20 mil metros quadrados para habitação. No entanto, a nova versão do referido Plano Municipal, que se encontra em processo de aprovação pelo município, a área de construção poderá aumentar para 27.800 metros quadrados.

Reedificado duas vezes, nos séculos XVIII e XIX, o edifício principal foi bastante atingido pelo terramoto de 1755 e, segundo a Direcção-Geral do Património Cultural, o monumento não conserva vestígios da fundação, ostenta arquitectura religiosa, renascentista, nos espaços e elementos construtivos, e barroca, nos elementos decorativos, em esculturas e no frontispício da capela.

Foi naquele local que, durante anos, e logo após o 25 de Abril, se refugiaram centenas de famílias vindas de África. A falta de condições e de apoios (sociais, económicos, educacionais e, principalmente, de saúde) terão levado à morte várias pessoas, nomeadamente crianças, muitas das quais sem registo de óbito oficial.

História do Convento

O Convento pertencia à Ordem dos Frades Menores, e à Província dos Algarves, tendo sido fundado em 1410.

Erguido num terreno doado por D. Maria Eanes Escolar, filha de João Gonçalves Escolar, vedor da Fazenda de D. Fernando, a qual doou outros bens ao convento, e contribuiu para a construção da capela-mor, da qual se constituiu padroeira, a protecção do edifício prosseguiu através de um neto da fundadora que reedificou a capela-mor e acabou por ingressar na ordem dos menores, no Convento de São Bernardino de Atouguia, onde morreu ainda noviço.

Particulares e monarcas dotaram-no de vários bens, nomeadamente D. Afonso V que lhe concedeu anualmente, 400 reais brancos.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica", em que foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, os bens do Convento de São Francisco foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

Presumivelmente em 1867, foram transferidos os livros 1 a 34 do Arquivo da Direcção Geral dos Próprios Nacionais para a Torre do Tombo, onde podem ser consultados.

Partilhe
ver mais