Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Inovação
Projecto ILEGAL vence final nacional do 14.º Poliempreende
ana maria santos
2017-09-21 / 15:35
FONTE: IPS
António Mendes, estudante do curso de Engenharia Mecânica na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal do Instituto Politécnico de Setúbal (ESTSetúbal/IPS), e João Frazão, elemento externo, foram os vencedores da 14.ª edição do concurso nacional Poliempreende, que se disputou recentemente em Bragança, no âmbito do programa PIN – Polientrepreneurship Innovation Network.

A dupla venceu a final nacional da competição com o ILEGAL, projecto de customização de motociclos, tendo impressionado um júri de peso, constituído por representantes do PIN/Poliempreende, Delta Cafés, Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI), Agência Nacional de Inovação (ANI) e da Startup Portugal.

O projecto vencedor, que promete criar soluções para uma mais fácil legalização de motociclos transformados, área para a qual o mercado português não tem actualmente respostas, foi um dos 19 projectos regionais que chegaram à final do Poliempreende, sendo o culminar de um processo que envolveu, na sua fase inicial, 480 estudantes e 161 projectos com origem no  ensino superior politécnico. Nos seguintes lugares do pódio ficaram os projectos Célia Celíaca, de alunos do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, e Zthreat, concebido no Instituto Politécnico de Bragança.

António Mendes, estudante da ESTSetúbal/IPS, reage com “grande satisfação e alguma surpresa” aquela vitória, já que a equipa que forma com João Frazão decidiu participar apenas com a intenção de “ganhar conhecimentos na área de desenvolvimento de empresas e de saber como poderíamos entrar no mercado da melhor forma possível”. 

A ideia original nasceu do projecto final de curso de Engenharia Mecânica, que consistia em construir um quadro de motociclo testado e homologado em território nacional, mas rapidamente a pesquisa apontou para algo mais ambicioso – a criação de uma empresa de produção de quadros. Uma vez que, refere António Mendes, “verificou-se que em Portugal não existem empresas com este tipo de produto homologado”.  Deste modo, o que a marca ILEGAL propõe ao consumidor é agilizar o processo de legalização de motociclos estética e tecnicamente transformados, oferecendo-lhe soluções “com base na engenharia, e de forma segura e original, de acordo com o seu gosto”.

Para o desenvolvimento do projecto vencedor, António Mendes contou com o apoio dos docentes Aníbal Valido (orientador de projecto), Ricardo Cláudio e Fernando Valente, da ESTSetúbal/IPS, e da técnica Sandra Pinto, da Unidade de Apoio à Inovação, Investigação e Desenvolvimento e Empreendedorismo (UAIIDE-IPS).

Agora com mais um estímulo a reforçar os ânimos dos dois jovens empreendedores, o rumo do projecto vai manter-se segundo o planeado, ou seja, entrar no mercado a partir do início do próximo ano, 2018, depois de certificado pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMTT).

“O projecto já se encontra numa fase final, estando neste momento um protótipo a ser montado para os testes de estrada. Após esta fase vem a homologação e, se tudo correr como previsto, a marca ILEGAL vai entrar no mercado em 2018”, salienta António Mendes.

Partilhe
ver mais