Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
José Nobre
2017-09-06
Opinião
DIAS FELIZES
Se soubessem a alegria que é ser-se remediado, ter alma alentejana e brindar ao sol e à chuva, sentir que o dia está a ser maravilhoso, dar pelos momentos ao seu nascer, não depois, quando só ficam os fios da memória a desenhar-nos o sorriso.

Ouvem-se muitas opiniões, nos dias de hoje, lêem-se enormidades, tudo opina, tudo pensa achar que deveria ser melhor se tivesse sido de outra forma, que até está bem assim, mas e se fosse o outro, fulano, beltrano ou sicrano?, mas e se fosse em tal sítio, mas, e mas e mais mas...

Mas, tudo bem, não é que me cause irritação maior a insatisfação crónica alheia, alheada, opinar só porque sim, dizer-se coisas, viva a liberdade; mas, o silêncio, ah, varresse o vento as palavras das bocas vãs, as palavras vãs das bocas ocas, e os emudecesse e os obrigasse a meditar um pouco antes de soltar a matraca, a sentirem alguma espécie de gratidão, por nada de especial que fosse, só para provarem um pouco do mel que a vida proporciona.

Tivesse o criador agraciado a humanidade com caudas de cão e a minha abanaria incansavelmente nos dias felizes, varrendo, furiosa e alegre, todo ar traseiro à sua passagem. Com ela, a cauda, metida entre as pernas, só se fosse para causar um qualquer efeito fálico, elevando-a à frente e erguendo o queixo e um sobrolho em simultâneo. Podia ser a minha assinatura de marca.

Não quero dizer com isto que se tenha de andar satisfeito e porreiro da vida com a adversidade, nada disso, não é de contrariedades que vos falo, mas sim de alegrias, de acontecimentos importantes, históricos, nobres, maravilhosos, que teimam em ser reduzidos e passados para segundo plano só porque algumas pessoas teimam em desviar o foco para o que poderia ou deveria ter sido, segundo as suas doutas e invioláveis e sagradas e quadradas opiniões.

José Nobre