Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Rafael Rodrigues
2017-11-26
Opinião
Hoje começo o dia com esperança!
Amigos, Bom dia! Muito bom dia! Hoje começo o dia com esperança!

Morreu há um ano o Fidel de Castro...uma figura do mundo.

Há dois anos mudámos de governo.

Deixámos a "barcarola" e passamos para a "geringonça".

Uma esperança nascida há dois anos e renascendo a cada dia.

Passei quatro anos a ouvir falar em austeridade, em falências, em fome, em fecho de hospitais, escolas, em cortes, emigração forçada de gente que jamais volta porque a esperança mudou de país ... em hipotecas, fisco à porta, segurança social na janela...tudo do estado servia ao governo para espezinhar os humildes, os mais necessitados, para em contrapartida e sem inocência salvar os mais ricos e poderosos, vendendo-se o país ao retalho, onde o vendedor-mor auferia 30.000€ por mês sem contar as alcavalas... para vender um banco que se vendeu por ele.

Já ninguém ouve falar nessa triste figura que como ninguém personificava a arrogância do poder.

Quase era a vida, desgraçadamente que nos esperava à saída da porta.

Um nó na garganta sentia ao acordar para a aventura de mais um dia. Era a incerteza que marcava o rumo. Era a tristeza que ofuscava o dia a dia da maioria dos portugueses!

Conheci, conheço casos de sufoco familiar, conheço e sei de casos de fome, conheci a desgraça de muita gente...

Foram quatro anos onde a insegurança, o mordiscar da troika, um governo sedento de fazer um país de pobres, um projecto de um PM “ditador” e sob o manto de neoliberalismo quase que suplicava por fascismos nas posturas de tudo ou em quase tudo se opor ao TC.

Não havia orçamento que não ferisse a CRP... Desprezada por um governo "acanalhado" sob a onda do servilismo e escravidão mental perante os alemães.

Éramos uns "coitadinhos".

Não esqueço de todos os dias acordar angustiado pelas incertezas e com o assalto da pergunta, que vai acontecer hoje de mau?

Faz dois anos que temos um governo diferente de todos que até aqui houveram.

Chamam-lhe a "geringonça", mas funciona e dá um gozo enorme ver aquilo a funcionar como se fossem os meus "carrinhos" feitos de cartão quando “kandengue” ou criança. Ganha corridas como os nossos carros de "rolamentos"...

Havia que levar esperança a essas gentes.

Este governo e este PR, conseguiram-no e afastaram o diabo que "as esquerdas" não querem, mas a direita adora...reza por ele!

Venera-o!

Consideram-no o Messias das suas políticas e do seu futuro.

Hoje é diferente?

É!

É... muito diferente!

Fazer crer num futuro que nos mostre que a vida é feita com testes na esperança de que o futuro é em frente e é melhor!

Dois anos depois...

Aconteceu e estamos melhor!

Os anos de governação “PaF” foram anos de sombras, onde muita das nossas gentes sangraram...

O país mirrou.

Cresceu um mau estar que assustava-nos.

Tinha toda a espécie de intuição e esperança que com a geringonça, ia muito mudar, iam renascer esperanças.

Tenho esperança que ainda vai mudar, mudar mais e melhor, tudo se renova, até a esperança dos infelizes e dos desditosos, onde a privação de uma vida lhes foi oferecida, até essa alegria e crença se vê a crescer.

Hoje tenho a esperança que com a alvorada brilhará o dia e afaste as tempestades que nos assolaram durante anos, onde a aflição e a insegurança no futuro nos angustiava!

Era um país onde um Cavaco dentro de portas alimentava insolitamente coelhos nos passos perdidos... o diabo espreitava atrás da moita!

Tenho esperança, renasceu a esperança de que se reduzirão as aflições, “os sufocos” e que seremos mais iguais, mais fraternos sob o manto da liberdade.

Tenho esperança!

Essa não me tiram nem a sufocam!

Tenhamos esperança, trabalhemos e evitemos mais privações porque tenho esperança que os infortúnios serão abafados com a esperança de um mundo melhor.

Se assim não for, vou ter que me erguer, reerguer aprendendo a renovar a esperança num país melhor!

Amanhã será outro dia!

"".

O VELHO E A FLOR

Por céus e mares eu andei,

Vi um poeta e vi um rei

Na esperança de saber

O que é o amor.

Ninguém sabia me dizer,

Eu já queria até morrer

Quando um velhinho

Com uma flor assim falou:

O amor é o carinho,

É o espinho que não se vê em cada flor.

É a vida quando

Chega sangrando

aberta em pétalas de amor. ""

Vinicius de Moraes

Nota: Quando escrevo... faço-o, sempre, em profundo desacordo e intencional desrespeito pelo novo Acordo Ortográfico.