Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Rafael Rodrigues
2017-08-11
Opinião
Incêndios
Porque depois dos incêndios virá a bonança, os dinheiros e os subsídios. Porque depois do calor vem o fresco. Depois dos ventos vem a calmaria.

Meus Amigos, bom dia!


Escrever sobre o quê?

Vou escrever sobre o óbvio da actualidade. Incêndios.

Há uns dias atrás, quando começou a primeira vaga de calor, lembrava que os incêndios iriam aparecer com alguma intensidade...


Os OCS fariam, dos infernos que são os incêndios, a alimentação diária das notícias em substituição da geringonça, de tudo que a política tem, do processo Sócrates, do BES, da promessa da chegada do diabo, ...de um diabo que só daria incêndios.

Aí estamos nós com uma vaga de incêndios fora do comum, onde os bombeiros se esgotam, é pouco dizer esgotam, onde se entregam com um enorme esforço para debelar tantos e tamanhos incêndios.


Dramático, o fogo descontrolado, a exigir tratamento de excepção perante tamanha catástrofe!

O que vai acontecer depois?

Como eu assisti e como protagonista durante 16 anos, tudo ficará como dantes. 

Todos os do sistema, após a época dos incêndios, colocam-se na sua zona de conforto e em vez de perguntarem:- E AGORA?

Ficam no DEPOIS!

Porque depois dos incêndios virá a bonança, os dinheiros e os subsídios. 

Porque depois do calor vem o fresco.

Depois dos ventos vem a calmaria.

Depois do Verão virá o Outono, logo a seguir o Inverno. ... Inundações, enxurradas...etc, etc. é um depois a seguir ao agora?


É de certeza!

No Depois, é a esperança de que tudo ficará para amanhã.

Depois de tantos anos ao serviço de bombeiros foi um "amanhã" que esperei sempre que fazia a pergunta:- É agora?

O poder político detesta, odeia a pergunta:- E agora? Agora você vai investir nos bombeiros, na segurança, no sistema de protecção das pessoas?

Não, porque isso é o DEPOIS. 

O depois para o poder é um custo que o agora acarreta. Não se vê, não dá votos e poucos tira.

Depois dos incêndios, das vigílias, depois... Depois nascem novos dias sobre as cinzas com a promessa de nova vegetação rebentar no Inverno.

E agora?

Agora, está no DEPOIS!

Depois das batalhas perdidas, haverão outras lutas...

Depois do barulho, o silêncio.

Muitos falarão do que sabem e não sabem...

Muitos que estiveram no poder, agora estão no DEPOIS, como comentadores... Sempre, depois de tudo.

Agora, o meu testemunho.

Sempre, serão sempre os mesmos, a gritar AGORA! 

São os bombeiros!

Eles que cobrem a cara, que protegem-se para darem o palco a outros e assim poderem anonimamente diminuir a destruição da catástrofe.

São o espelho da solidariedade a quem devemos gratidão!

Eles, mesmo cansados, desiludidos, atormentados, pressionados, exaustos nunca deixarão de acreditar que é agora.

É no agora que eles acreditam que vencerão o fogo... Mesmo decepcionados, eles dirão sempre, vamos agora.


No meio de tantas mentiras, os únicos a acreditar que as cinzas que ficam não lhes pertence, são os BOMBEIROS!

Uns em cinzas se tornaram.

Machucados, só ficam no DEPOIS, depois de terem cumprido o dever com responsabilidade e com a consciência de que o amor à causa, valeu a pena.

A todos os outros, a pergunta que lhes fica, é:- E agora?

Surdos, dirão:- Depois... Depois... Depois...

Um dia muito feliz, com tudo de bom e com gratidão aos bombeiros, deixo-vos com desejo de um rápido regresso à normalidade.



"FOGO E GELO

Alguns dizem que o mundo acabará em fogo,

Outros dizem em gelo.

Fico com quem prefere o fogo.

Mas, se tivesse de perecer duas vezes,

Acho que conheço o bastante do ódio

Para saber que a ruína pelo gelo

Também seria óptima

E bastaria. "

Robert Frost