Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Opinião
Porque choram as rosas
Que raça esta onde o mar salgado são lágrimas de dor?

Porque chora a natureza, ofendida? Porque nos lamentamos, vulgares mortais? Porque é que o prédio desabou? Porque secam as barragens? Porque se mente com tanta felicidade? Porque morrem mais pobres que ricos? Porque é que sobra sempre mais dia do mês do que ordenado/reforma? Porque é que quem trabalhou mais de cinquenta anos acaba a pedir esmola à porta de um qualquer café? Porque não se protegem as crianças dos males do Mundo? Porque as deixam ao alcance de lobos famintos de sexo, (!?), para  repasto dos ditos pedófilos? Porque se vende fé sem convicção? Porque se torna negócio a religião? Porque é vulgar os ditos humanos darem a parecer o que não são? Porque se continua a morrer na estrada em correrias loucas para a morte? Porque arderam as florestas?

Não sei se foi descuido, negligência ou estupidez natural do animal apelidado de superior, se por interesses urbanísticos, se por mero negócio do tal dito quartel da madeira! Sei que fiquei bem mais pobre, o País ficou ferido. Sei que alguns continuam a passar pelos intervalos da chuva que teima em não cair, sei que… há bruxas. Não é que conheça alguma pessoalmente, mas que existem lá isso não duvido, porque as há, as há, como dizem os nossos “queridos amigos e vizinhos espanhóis”. Todo o cuidado é pouco para quando estamos frente a frente com uma delas. Os seus bruxedos deixam marca, creiam.

As florestas arderam, D. Dinis deu mais de 5.000 voltas no túmulo. Os pinhal que tanto amou e que para além de segurar as areias daria ao seu povo a madeira suficiente para que pudéssemos dar, Novos Mundos ao Mundo. E demos os tais Mundos Novos ao Mundo, mas mesmo assim, e mais uma vez, não deixamos de ser enganados por alianças fraudulentas, vindas de outro grande amigo, Inglaterra, terra de piratas em plena Europa. Foram usurpando, enganado, até se apoderarem do outro e prata que traziam as caravelas do Brasil e África. Aqui calha bem pôr uma pergunta; - será que não somos mesmo idiotas!? Que raça esta onde o mar salgado são lágrimas de dor. Se não fomos enganados por entrepostos amigos, até ditos irmãos, são os carteis, são os impunes incendiários que depois de presos ou são postos em liberdade ou têm penas de alguns meses em colónias de férias, (Pinheiro da Cruz a exemplo, com a excelente praia da raposa), para logo saírem sem que nada mais se passe, prontos para nova ronda no próximo Verão. Só por milagre não morreram mais do dobro dos que infelizmente ficaram sem vida. Casas, hortas, fábricas, animais, área cultivada, pomares, tudo o fogo levou sem dó nem piedade. Mais poderia ter ardido, mais o fogo poderia ter ceifado aldeias inteiras, felizmente que não foi assim, os bravos bombeiros estiveram sempre na linha da frente. Como é possível tantos carros ficarem num inferno de fogo em estradas nacionais? Onde estavam os fiscais que deviam controlar a plantação de eucaliptos quase encima do alcatrão?

Muito há a perguntar, mas as paredes são mudas e nada nos dizem. Paz a quem morreu.