Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Política
Autarquia do Seixal rejeita portagens na A33
ana maria santos
2017-05-16 / 17:03
FONTE: DCI/CMS
A Câmara Municipal do Seixal rejeita o pagamento de portagens na A33, em três locais distintos, considerando que o mesmo “é injusto, uma vez que é o concelho mais prejudicado comparativamente aos restantes por onde passa esta infraestrutura”.

No concelho do Seixal existem, desde a implantação da A33, portagens pagas em Coina, Belverde e Vale de Milhaços, pagamentos esses que são rejeitados pela Câmara Municipal do Seixal e que levam o presidente daquela autarquia, Joaquim Cesário Santos, a estar presente amanhã, às 14 horas, junto ao nó de Belverde, como forma de exigir a extinção das referidas portagens.

A Câmara Municipal do Seixal considera que “está posto em causa o direito à mobilidade dos cidadãos consagrado na Constituição da República Portuguesa”, afastando muitos condutores daquela infraestrutura, sendo a A33/IC32 “uma infraestrutura estruturante e fundamental para o desenvolvimento económico da região e do país e que foi durante muitos anos uma exigência das populações e do Poder Local da região”.

 No entanto, aquela autarquia está “contra o facto de terem que ser as populações a custear a obra, diminuindo o índice de eficiência desta via, gorando as perspectivas de desenvolvimento das empresas e continuando a penalizar a qualidade de vida das populações da Margem Sul”, para além de considerar ainda que aquela autoestrada “tem um perfil de variante às redes viárias municipais de hierarquia superior, que há muito atingiram o limite da sua capacidade, pelo que a existência de portagens faz com que esta autoestrada não cumpra a sua função e que se mantenha o congestionamento das outras vias”.

Partilhe
em destaque
Chama da Solidariedade foi entregue a Setúbal
Setúbal: Definidas regras de selecção ao acesso e atribuição de habitação municipal
Câmara de Setúbal assume gestão das praias da Arrábida
Cerca de 19 quilos de cocaína apreendidos no Montijo
ver mais