Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Emprego Saúde Ambiente Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Política
Passe Navegante: António Costa e Maria das Dores Meira sublinham a importância que o novo passe terá nos orçamentos familiares
ana maria santos
2019-04-01 / 20:07
FONTE: SMCI/CMS
O primeiro ministro, António Costa, terminou hoje, em Setúbal, a viagem “inaugural” de utilização do passe Navegante, através do qual muitas famílias passam a ver reduzidas as despesas com as deslocações na Área Metropolitana de Lisboa. Em cerimónia realizada no Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal, a presidente da autarquia, Maria das Dores Meira, classificou este dia como “um momento histórico” para milhares de famílias e lembrou que, urgente, se mostram, ainda, “questões que teremos de resolver rapidamente, como é o caso da travessia do Sado”, a qual classificou de “injusta e desnecessariamente cara”.

Acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes e de vários autarcas da Área Metropolitana de Lisboa (AML), o primeiro-ministro, António Costa, viajou, esta manhã, entre os concelhos de Mafra e Setúbal, de modo a assinalar o primeiro dia de utilização do Navegante, passe social que passa a vigorar nos 18 municípios da referida área, com um custo máximo de 40 euros.

A deslocação dos responsáveis políticos, em transportes públicos, teve início na Ericeira, pouco depois das 7 horas de hoje, com a comitiva a utilizar vários meios de transporte que culminaram com a ligação, Lisboa/Setúbal, via Fertagus.

A viagem, simbólica, assinalou, caricatamente a 1 de Abril (Dia das Mentiras), a entrada em vigor do novo passe Navegante, o qual irá abrander toda a população que se desloca na AML, aproximadamente 2,7 milhões de pessoas, e que anula centenas de títulos de transportes combinados até ontem em vigor.

Já na Câmara Municipal de Setúbal, onde o primeiro-ministro foi recebido e no decorrer da cerimónia oficial, a presidente da autarquia setubalense sublinhou ter sido hoje “um dia histórico”  na redução das facturas “para muitas milhares de famílias” que utilizam, diariamente, “ aquele tipo de transportes para irem trabalhar, ou estudar”.

Segundo a autarca, o dia que hoje foi assinalado “resulta do trabalho conjunto de todos os autarcas da AML que, unanimemente, aprovaram as medidas que nos trouxeram até aqui”.

A autarca setubalense deu, como exemplo, a deslocação entre Setúbal e Lisboa, através da Fertagus, onde o valor do passe passa de 133,95 euros para 40 (com uma poupança de 93,95 euros, mensais) ou o valor de quem, indo de Setúbal para Lisboa e que precise, ainda, de utilizar  os serviços dos TST, do Metro e da Carris, irão reduzir as suas despesas mensais, com transportes, em 276,70 cêntimos, com uma poupança anual de 3.320, 40 euros.

Considerando esta uma medida histórica, “um passo fundamental para cada vez maior sustentabilidade ambiental” com a retirada das estradas do país de “milhares de viaturas que transportavam gente que passará agora a usar transpoprtes públicos”, a autarca salientou que a realidade que, a partir de hoje abrange milhares de famílias, “resulta do trabalho conjunto de todos os autarcas da AML que, unanimemente, aprovaram as medidas que nos trouxeram até aqui”.

Maria das Dores Meira, dirigiu-se ainda aos que classificam esta alteração como eleitoralista e deixou as seguintes questões aos criticos: é ou náo uma medida útil que contribui para a reposição de rendimentos de muitas famílias portuguesas? Facilitar a vida às pessoas é eleitoralismo?”.

Fernando Medina referiu que o passe Navegante "consagra o direito de mobilidade para todos", e que esta foi "mudança replecta de significado" que, só na AML, abrange 2,7 milhões de cidadãos.

A "melhor prova da dimensão alcançada com esta medida", sublinhou Fernando Medina, é o facto de em Março "terem sido vendidos mais 70 mil títulos" do que no mês homólogo de 2018, grande parte a "pessoas com mais de 65 anos, que adquiriram o passe não por necessidade mas porque é um direito".

Fernando Medina adiantou ainda que estão em desenvolvimento outros projectos para complementar o Navegante, num investimento de "30 milhões de euros, assegurado pelos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa, para expansão da rede de transportes públicos".

O presidente da Área Metropolitana de Lisboa enfatizou, igualmente, que o Navegante, responsável pela eliminação de mais de sete centenas de passes no território, "resulta da vontade férrea de 18 municípios" e constitui "um passo de gigante na revolução que está a acontecer nos transportes públicos".

João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Transição Energética, sublinhou, igualm ente, a importância da nova  medida de mobilidade, "interpretada como um direito social", destacando as mais-valias ambientais alcançadas.

"Este é um contributo sério no combate às alterações climáticas, que se traduz na melhoria da qualidade de vidas das populações e das cidades", adiantando que a medida constitui também mais um passo no "processo de descarbonização", cujo objectivo é alcançar, até 2030,  "menos 40 por cento das emissões de dióxido de carbono de 2011”.

Para o primeiro-ministro, António Costa, a entrada em vigor do Navegante constitui "a maior revolução nos transportes públicos colectivos das últimas décadas", salientando, também, "o impacte que a medida tem nos rendimentos das famílias".

António Costa sublinhou, igualmente, que o passe, alargado a outras comunidades intermunicipais, devidamente adaptado às características locais, "gera muito mais oportunidades de mobilidade, sem maior custo".

No decorre da cerimónia, a autarca setubalense ofereceu ao primeiro-ministro uma oferta que simboliza o fim dos inúmeros passes utilizados nos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa, casos do "L123", "A23SX" e "00A23", replicados e personalizados com a fotografia e o nome de António Costa.

Mobilidade com custos reduzidos para os orçamentos familiares

Ao Navegante metropolitano e municipal juntam-se, a partir de Julho, os passes válidos para famílias, independentemente da dimensão do agregado, com o valor de 60 euros para os títulos circunscritos a um único concelho e de 80 euros para os que darão acesso a deslocações em toda a área metropolitana.

Todos os passes são de periodicidade mensal e permitem recarregamentos efectuados a partir da rede Multibanco. Existem ainda o "Navegante 12 anos", gratuito, para crianças até 12 anos, e o "Navegante +65", com o valor fixado em 20 euros, para pessoas com mais de 65 anos.

O passe único tem apenas duas configurações: o Navegante Municipal, que custa 30 euros e permite viagens dentro de cada concelho, e o Navegante Metropolitano, com o custo de 40 euros e que permite deslocações, em todos os meios de transporte públicos, em toda a área metropolitana. As crianças até aos 12 anos estão isentas do pagamento de transportes.

De lembrar que a área abrangida (AML) integra os municípios de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira, para onde, por 40 euros mensais, poderá viajar a trabalho, ou por lazer.

Partilhe
ver mais