Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Região
Alcácer do Sal: Vítor Proença preocupado com atraso no arranque das obras no IC1
ana maria santos
2018-08-17 / 14:29
FONTE: CMAS
O presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, voltou a manifestar as suas preocupações com o atraso no arranque das obras no troço do IC1, que liga aquele concelho a Grândola.

"É incompreensível este atraso", refere o presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal. "Primeiro, foi-nos dito que a obra não podia avançar devido a restrições que ocorreram. Depois, foi-nos dito que a empreitada se realizaria efectivamente. No entanto, e apesar de governantes terem vindo ao local e anunciado o início da obra para Março de 2018, estamos em Agosto e continuamos a aguardar", refere Vítor Proença.

Recordamos que o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou no ano passado o início da empreitada para o primeiro trimestre de 2018, data essa que foi reafirmada pela Infraestruturas de Portugal já no início deste ano. Não obstante as obras terem sido adjudicadas em Janeiro e o estaleiro em Alcácer do Sal aparentar estar pronto para o avanço dos trabalhos, o IC1 continua a aguardar a tão ansiada intervenção.

Para o autarca, que se revela bastante preocupado com o atraso dos trabalhos, esta não é altura de desistir. "Não nos vamos calar e vamos continuar a empenhar-nos para que estas obras sejam uma realidade e para que seja colocado um ponto final no capítulo negro desta que, infelizmente, é conhecida como «estrada da morte»", defendeu.

Rodeiras, fissuras, lombas, raízes e buracos são alguns dos problemas dos cerca de 15,7km do troço do IC1, entre Alcácer do Sal e Grândola, que fazem daquele uma inquietação permanente e que se traduz em danos em viaturas e, mais grave, em acidentes rodoviários, alguns deles com vítimas mortais a lamentar. Se fora da época estival aquela estrada recebe cerca de nove mil veículos diariamente, os números disparam no Verão com os milhares de turistas que rumam ao Algarve, através daquela que é a principal via nacional de acesso ao sul do país.

Embora em 2017 tenha recebido alguns trabalhos de requalificação, aquele troço do IC1 aguarda ainda a intervenção de fundo que tem vindo a ser reivindicada pelos municípios de Alcácer e Grândola e pela Comissão de Utentes ao longo dos últimos anos, através de encontros com grupos parlamentares, reuniões com governantes, marchas lentas e manifestações.

Partilhe
ver mais