Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Região
Alcochete: GNR apreendeu amêijoa-japonesa com valor superior a 81 mil euros
ana maria santos
2019-04-10 / 13:28
FONTE: GNR
A GNR apreendeu, ontem, 9 de Abril, na localidade de Samouco, concelho de Alcochete, oito toneladas de amêijoa-japonesa, com um valor superior a 81 mil euros. Os bivalves, por ainda se encontrarem vivos, foram devolvidos ao rio Tejo.

A GNR divulgou, hoje, a apreensão de oito toneladas de amêijoa-japonesa que haviam sido retiradas do rio Tejo, na área do Samouco, concelho de Alcochete.

Em comunicado, a GNR refere que a apreensão foi realizada pelos Subdestacamentos de Controlo Costeiro de Fonte da Telha e Lisboa, do Destacamento de Controlo Costeiro de Lisboa,  e que a quantidade apreendida teria, a preço de mercado, um valor estimado de 81.500 euros.

Na nota emitida, é referido que a apreensão ocorreu durante uma acção de vigilância que visava o combate à prática da apanha daquela espécie, altura em que os militares detectaram “dois homens na posse de oito toneladas de bivalves, armazenados em espaços improvisados sem quaisquer condições higieno-sanitárias”, e que eram utilizados pelos infractores como “depósito para uma posterior expedição” dos mesmos.

A GNR salienta ainda que os espécimes “não estavam acompanhados do respectivo documento de registo, sendo que a captura deste tipo de bivalves, sem que os mesmos sejam sujeitos a depuração ou ao controlo higiossanitário, pode colocar em causa a saúde pública, caso sejam introduzidos no consumo, devido à possível contaminação com toxinas”. Aos dois homens, de 44 e 32 anos, foram passados autos de contraordenação.

A GNR refere, ainda, que aquela preensão “decorre de um conjunto de acções concertadas, desenvolvidas pelo Destacamento de Controlo Costeiro de Lisboa, e que visam o combate à apanha ilícita e posterior comercialização de moluscos e bivalves no Estuário do rio Tejo” e que desde  início do ano que o referido Destacamento “tem intensificado as acções de fiscalização aos operadores económicos locais que desenvolvem a sua actividade de trabalho na apanha dos moluscos e bivalves” e que, somente este ano e até ao momento, “foram apreendidos e devolvidos ao habitat cerca de 23 toneladas de espécimes de amêijoa-japonesa que, ao serem impedidos de entrar no consumo, representam cerca de 230 mil euros que são subtraídos ao mercado paralelo ilícito da apanha e que financiariam essas mesmas actividades”.

Partilhe
ver mais