Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Região
Castelo de Palmela vai ter novas acessibilidades
ana maria santos
2017-11-11 / 18:59
FONTE: CMP
A candidatura CAFA – “Castelos e Fortalezas da Arrábida – Castelo de Palmela”, uma acção prevista no PRARRÁBIDA, Plano de Acção para a Conservação, Valorização e Promoção do Património Histórico, Cultural da Arrábida, que integra o conjunto de projectos intermunicipais que unem Palmela, Sesimbra e Setúbal, foi aprovada a 30 de Outubro e irá permitir a criação de acessibilidades a todos os cidadãos.

A operação representa um investimento de cerca de 300 mil euros, cofinanciado em 50 por cento pelo FEDER, e tem como objectivos a requalificação e a valorização patrimonial do Castelo de Palmela no que respeita à acessibilidade para públicos com mobilidade reduzida, através da abolição de barreiras, numa lógica de igualdade de oportunidades.

Aquela  intervenção, na linha da valorização do edificado e do espaço público e qualificação do património que a autarquia tem vindo a desenvolver, irá contribuir para uma ligação harmoniosa de todo o monumento, da Igreja de Santiago à Praça de Armas, melhorando as condições de promoção de eventos e a fruição turística. Em concreto, as obras irão incidir ao nível do estacionamento, dos pavimentos e dos obstáculos que impedem o acesso a espaços interiores e exteriores, às áreas musealizadas e de descanso.

A acção CAFA – “Castelos e Fortalezas da Arrábida – Castelo de Palmela” está inscrita no Pacto de Desenvolvimento de Coesão Territorial da Área Metropolitana de Lisboa (PDCT-AML), tendo sido candidatada ao Programa Operacional Regional Lisboa 2020 (Lisboa2020), no quadro do Eixo 4 – Preservar e proteger o ambiente e promover a utilização eficiente dos recursos, através da Prioridade de Investimento 6.3. Conservação, proteção, promoção e desenvolvimento do património natural e cultural.

Partilhe
ver mais