Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Região
GNR de Setúbal: duas pessoas identificadas por tráfico e detenção de répteis
ana maria santos
2018-08-09 / 00:01
FONTE:CTS/GNR
O Comando Territorial de Setúbal, através do Posto Territorial da Trafaria, e do Núcleo de Investigação de Crimes e Contraordenações Ambientais (NICCOA) de Setúbal, procederam à identificação de duas pessoas: uma por suspeita de tráfico de droga e outra por detenção e comércio ilegal de um elevado número de cobras de várias espécies. Os crimes ocorreram em Almada e Montijo.

A primeira das ocorrências teve lugar na passada segunda-feira, 6 de Agosto, em Monte de Caparica, Almada, pelo crime de tráfico de estupefacientes.

A sinalização do crime surgiu na sequência de uma acção de patrulhamento, durante o qual um indivíduo se colocou em fuga no momento em que avistou os militares da GNR, arremessando um saco plástico que tinha na sua posse, para o interior de uma residência.

O saco acabou sendo recuparado pela GNR e no interior do mesmo foram encontradas 199 doses de heroína, 37 doses de cocaína e um cofre com cerca de 400 euros em numerário.

O indivíduo, que acabou por ser abordado e identificado, foi constituído arguido e sujeito à medida de coacção de Termo de Identidade e Residência.

Entretanto, durante o dia de anteontem, 7 de Agosto, militares do Núcleo de Investigação de Crimes e Contraordenações Ambientais (NICCOA) de Setúbal, apreenderam 37 répteis, numa habitação no Afonsoeiro, Montijo.

A apreensão resultou de uma investigação os militares da GNR na sequência da qual foi realizada uma busca domiciliária por suspeita de detenção e comércio ilegal de um elevado número de cobras de várias espécies, nomeadamente, cobras constritoras de grande porte e cobras venenosas, tendo sido apreendidas 12 Pitons Reais (Python regius), cinco Cobras Rei (Lampropeltis getula), quatro Cobras do milho (Pantherophis guttatus), três Dragões Barbudo (Pogona vitticeps), dois Piton Tapete (Morelia Spilota), dois Camaleões do Iêmen (Chamaeleo calyptratus), dois Varano-Terrestre-Africano (Varanus exanthematicus), duas Cobras de Riscas (Thamnophis sirtalis), um Lagarto-Marau (Tupinambis merianae), uma Cobra Rateira Japonesa (Elaphe climacophora), uma Cobra Falsa Coral (Lampropeltis triangulum), uma Cobra Nariz de Porco (Heterodon nasicus) e um Geco-Leopardo (Eublepharis macularius).

As espécies apreendidas encontram-se protegidas ao abrigo da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES), sendo necessária autorização para a sua detenção.

A investigação em causa, segundo o Comando Territorial de Setúbal da GNR, “para além de procurar garantir a segurança, o bem-estar e a comodidade dos cidadãos em função da potencial perigosidade deste tipo de répteis, também pretende verificar a legalidade e condições para a sua detenção, assim como, o bem-estar e a saúde dos répteis”.

O detentor dos mesmos foi constituído arguido e sujeito à medida de coacção de Termo de Identidade e Residência.

A acção de recuperação contou com a colaboração da Unidade Especial CITES do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas.

Partilhe
ver mais