Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Região
Palmela: mulher detida por burla e falsificação de documentos
ana maria santos
2018-01-11 / 14:47
FONTE: PJ
A Polícia Judiciária deteve uma mulher por sobre ela recaírem fortes indícios da prática dos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos. Os factos tiveram lugar em Mafra e Palmela.

A Directoria de Lisboa e Vale do Tejo, identificou e deteve uma mulher, de 47 anos, por fortes indícios da prática de crimes de burla qualificada e falsificação de documentos, informou hoje, 11 de Janeiro, a Polícia Judiciária em comunicado.

Segundo o mesmo, a mulher “fazia parte dum grupo que agora, com a sua detenção, ficou totalmente desmantelado” e que era composto pela detida e por um casal também já anteriormente detido e “recorria, de forma regular, pelo menos desde 2008, à utilização de identidades, verdadeiras e falsas, e à contrafacção e falsificação de documentos, para contractar apólices de seguro, cujos prémios pagavam regularmente durante um certo período”.

Após o período de pagamentos, “participavam falsos sinistros, de que resultavam supostos graus de incapacidade, ou mesmo a morte, justificados com diversa documentação falsa, incluindo de informação clínica, recebendo depois as indemnizações contratadas pelos danos declarados que bem sabiam serem inexistentes”.

Com aquela prática ilegal, o grupo “apropriou-se indevidamente das indemnizações pagas pelas empresas seguradoras”, cujos montantes ascendem a centenas de milhar de euros.

A mulher agora detida foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicadas as medidas de apresentações periódicas às autoridades e proibição de contactos com os outros elementos do grupo.

Partilhe
ver mais