Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Saúde
Escola Superior de Saúde do IPS avança com investigação para reduzir a dor lombar crónica
ana maria santos
2018-09-14 / 17:44
FONTE: Sapo
O projeto SPLIT, desenvolvido pela Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal (ESS/IPS) com a missão de reduzir os casos de lombalgia crónica, vai em breve iniciar a sua segunda fase de trabalho, focada na formação de médicos de medicina geral e familiar e fisioterapeutas do Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida.

A primeira sessão de formação, em torno do tema “Lombalgia – Clínica e diagnóstico diferencial”, está já agendada para o próximo dia 21 de Setembro, decorrendo nas instalações da ESS/IPS, entre as 9 e as 11 horas, e tendo como preletoras as reumatologistas Ana Rodrigues e Helena Ganhão, ambas investigadoras da Nova Medical School, instituição parceira no projecto.

Segue-se, a 19 de Outubro, no mesmo local e horário, uma segunda sessão, conduzida pelos fisioterapeutas Eduardo Cruz e Rita Fernandes, docentes da ESS/IPS e coordenadores científicos da investigação, em que se propõe abordar os “Perfis de risco para a cronicidade e tipologias de tratamento em fisioterapia”.

O projecto promove ainda o curso SPLIT, dirigido especificamente a fisioterapeutas e com dois módulos previstos para 28 e 29 de Setembro (módulo 1) e para 12 e 13 de Outubro (módulo 2).

Financiado pelo Programa Operacional Regional de Lisboa e pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, o projecto SPLIT debruça-se sobre aquela que é considerada a patologia reumática e músculo-esquelética mais prevalente em Portugal, vulgarmente designada por “dor nas costas”.

O estudo científico, que tem como mote “Personalizar para melhor tratar a lombalgia”, propõe, como tal, a implementação de um sistema inovador que permitirá o tratamento diferenciado das pessoas com episódio de lombalgia que recorrem aos cuidados de saúde primários, consoante revelem baixo, médio ou elevado risco de desenvolver dor persistente e incapacitante. 

A missão do SPLIT é, em última instância, melhorar a qualidade dos cuidados prestados aos pacientes com aquela patologia.

Partilhe
ver mais