Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Saúde
Setúbal: Ministério da Saúde assume necessidade de mais 32 profissionais
ana maria santos
2018-05-22 / 21:44
FONTE: Youtube
O Ministério da Saúde assume a necessidade de mais 32 médicos de família no Agrupamento de Centros de Saúde Arrábida, de forma a corresponder às necessidades de atendimento a utentes com idade inferior a 18 anos.

Em resposta às questões colocadas, pelos deputados do Bloco de Esquerda, na Assembleia da República, relativamente à situação vivida no Agrupamento de Centros de Saúde Arrábida, desde 1 de Janeiro do corrente ano, sobre a falta de médicos de família para assistência a recém-nascidos, a tutela assume que, neste momento, “encontram-se 12.038 crianças e adolescentes sem médico de família atribuído” mas, garante, “não está comprometido o acesso aos cuidados de saúde”.

Questionado o Governo, pelos deputados do Bloco de Esquerda (Moisés Ferreira, Jorge Falcato Simões, Joana Mortágua e Sandra Cunha), no passado mês de Março, sobre os recém-nascidos sem médico de família,  desde 1 de Janeiro do corrente ano, no Agrupamento de Centros de Saúde Arrábida (Palmela, Setúbal e Sesimbra), onde os deputados do BE salientam que “a legislação obriga a que todos os bebés nascidos a partir de Setembro de 2016 tenham um médico de família atribuído”, onde questionaram a tutela sobre “quantas crianças recém-nascidas, desde 1 de Janeiro de 2018, não têm médico de família atribuído neste ACES?; quantas crianças em idade pediátrica não têm médico de família atribuído neste ACES?; qual o número de médicos de família necessário para garantir a cobertura total de toda a população abrangida por este ACES? Quantos faltam para atingir esse número?” e se o Governo “tem conhecimento de problemas na comunicação prevista no ‘Notícia Nascimento’? Quantos recém-nascidos foram reportados através deste canal, mas ainda assim ficaram sem médico de família atribuído neste ACES?”, recebeu, agora, aquele Grupo Parlamentar, as seguinte resposta do Ministério da Saúde:

Em Janeiro do corrente ano existiam “ 82 recém-nascidos sem médico de família atribuído”, para além de que, em idade pediátrica, (inferior a 18 anos) “não têm médico de família atribuído, 12.038 crianças e adolescentes”, sendo que são necessários 32 médicos de família “para garantir a cobertura total de toda a população abrangida por este ACES”.

O Ministério da Saúde garante que “independentemente destas lacunas em todas as unidades funcionais do ACES Arrábida”, os recém-nascidos “são seguidos em consultas de Vigilância em Saúde Infantil”.

Em comunicado hoje emitido, o Bloco de Esquerda quer que o Governo “tome medidas urgentes para que todas as crianças tenham médico de família” e considera “imperativo ainda que tome todas as medidas para reforçar o número de médicos de família em Portugal, em vez de continuar a protelar os concursos para contratação”.

No dia em que o país presta homenagem a  António Arnaut, o BE lembra que a  aprovação do seu projecto de refundação do Serviço Nacional de Saúde “é uma oportunidade a não perder para, assim, sabermos que as gerações futuras recebem o mesmo que nós recebemos de António Arnaut: o direito de acesso à saúde”.

Partilhe
ver mais