Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Emprego Saúde Ambiente Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Saúde
SNS: Assembleia Municipal de Grândola reúne com população
ana maria santos
2019-06-04 / 16:27
FONTE: DR
A Assembleia Municipal de Grândola reúne na próxima quinta-feira, 6 de Maio, com a população para debater a situação dos Serviços Públicos de Saúde no concelho e na região e o estado de degradação dos cuidados de saúde prestados na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) que abrange os Cuidados de Saúde Primários, Centros de Saúde e o Hospital do Litoral Alentejano.

No decorrer da reunião, a ter início às 21 horas, no Cineteatro Grandolense, a Assembleia Municipal de Grândola irá dar a conhecer à população daquele concelho o mapa de pessoal da ULSLA que “continua a ter serviços muito deficitários” e com especialidades asseguradas no Hospital “apenas por um médico (exemplo: um cardiologista e um Neurologista para 100.000 utentes), dois pediatras que não integram as escalas de Urgência Pediátrica, existindo muitas outras especialidades que sobrevivem com prestadores de serviços, sem vínculo estável”.

A actual situação, segundo nota de imprensa da autarquia grandolense, “traduz uma difícil organização das equipas, em prejuízo dos utentes, que na maioria das especialidades não têm médicos de referência”, sendo a carência de recursos, garantem,  “transversal a outras categorias profissionais”, tais como enfermeiros, assistentes operacionais, assistentes técnicos, técnicos superiores de saúde e também nos Cuidados de Saúde Primários, onde “quase 2.000 utentes não têm Médico de Família”, sómente naquela área do distrito de Setúbal.

Outra das questões a abordar são as “perdas na qualidade do trabalho prestado e a exaustão dos profissionais” uma vez que, analisados os tempos de espera, “nas consultas,  por exemplo,  é de 773 dias na especialidade de Otorrinolaringologia e de  285 dias em Oftalmologia; nas cirurgias a espera de Ginecologia é de 392 dias,  em Ortopedia de 239 dias e 119 em Urologia”, segundo fonte da Comissão de Utentes.

As obras no Serviço de Urgência terminaram e naquele serviço “ainda não se encontra em pleno funcionamento por falta de recursos, entre outros, o de enfermagem”.

Ainda segundo a nota emitida, até ao momento “não existe resposta por parte do Ministério da Saúde a nenhuma destas realidades”, para alé de que  “à população residente nos cinco concelhos do Litoral Alentejano 97.895 habitantes (INE, Censos 2011) acrescem os turistas/visitantes na época de Verão”, a que acresce “uma nova realidade económico e social no concelho de Grândola que, nos últimos anos, se traduz num aumento considerável de utentes”.

A Assembleia Municipal de Grândola deu conhecimento da necessidade de uma reunião para discussão das preocupações existentes, por ofício, à ministra da Saúde, ao primeiro-ministro e ao Presidente da República.

Partilhe
ver mais