Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Até sempre e, obrigada!
ana maria santos
2018-12-18 / 01:10
FONTE: DR
Doença lixada, essa, que não nos deixa morrer por velhice, mas que nos rouba as funcionalidades do corpo e que nos impede de ser, muitas das vezes com a mente lúcida e aprisionados dentro de nós, aquilo que sabemos e queremos, ainda, ser!

Hoje, meu querido, escrevo por ti e para ti, infelizmente para dar a pior das notícias: partiste... logo tu, a quem agradeço toda a atenção, todos os conselhos, toda a preocupação, de quem me fica a lembrança de muitas opiniões trocadas para melhorar o que mais gostávamos de fazer e a ambição que tinha-mos para fazer sempre mais e melhor.

A ideia da crónica “Janela sobre o Sado”, publicada, semanalmente, num jornal regional, que já não existe, partiu de ti...era essa a nossa linha de pensamento: sermos “olheiros” nas coisas da cidade, do que prejudicava e incomodava a população que aqui reside/trabalha!

Ambos alentejanos, tu de Arraiolos (onde tenho fortes ligações familiares, facto que nos levou a concluir que lá no passado as nossas famílias podem ter-se cruzado!) e eu do concelho de Mora, fomos, sempre, defensores desta região, e disso demos conta, tu através da área desportiva e eu, nas restantes área, principalmente na social e juridica, num amor profundo por esta cidade onde, (tanto que falámos sobre isto!), decidimos viver e continuar a nossa vida.

Francisco, obrigada! Foste uma mais valia na minha vida de “estagiária”. Sou grata aos conselhos dados, que tanto tu, como o Roque, fizeram questão de me transmitir: jornalismo sério, isento, profissional (outros tempos. Tempos de dignidade!). Obrigada!

Partilhe
ver mais