Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Bela Vuah: a associação que quer dar “asas” aos jovens da Bela Vista
ana maria santos
2018-03-25 / 15:58
FONTE: Gazeta Setubalense
Constituída há cerca de meio ano, a Associação Bela Vuah (Bela Vista, em crioulo) tem, como objectivo base, abrir caminhos aos jovens residentes naquela área da cidade de Setúbal, muitos dos quais com grandes potencialidades, em diversas vertentes. Aliás, alguns dos nomes sonantes do desporto, da moda.... viveram, conviveram e saíram do bairro da Bela Vista.

Criado há cerca de dois anos por Lídia Cristo, o projecto de âmbito social foi constituído em associação em Setembro de 2017, assumindo-se com o objectivo concreto de dar espaço, voz e segurança aos jovens (principalmente a eles) do bairro da Bela Vista, nomeadamente, e apesar da própria base de trabalho, através de parcerias com quem já desenvolve outros projectos naquela área da cidade.

Constituída por uma equipa multidisciplinar, de nove elementos, a Associação Bela Vuah deve o nome ao termo utilizado pelos jovens para se referirem ao bairro da Bela Vista. “Queríamos um nome diferente e através do qual poder estar mais perto das pessoas, em particular dos mais jovens”, começa por explicar Lídia Cristo, acrescentando que desde o início “têm sido os próprios jovens a aproximar-se de nós e a mostrar-nos as muitas capacidades que ali existem, como por exemplo na área da composição musical, e fomos percebendo que existe vontade de fazer mais e melhor mas que não tinham quem lhes mostrasse de que forma fazê-lo e que caminhos seguir”.

Aliás, a presidente da associação garante que a população daquela área da cidade tem, “desde o início, mostrado uma grande abertura para o nosso projecto e repito o que já disse várias vezes: estamos aqui para fazer o que tem que ser feito. Não queremos ser só mais uma associação... estamos aqui para dar o nosso contributo, em paralelo com as outras associações e instituições que já trabalham no terreno”.

O caminho percorrido nos últimos dois anos tem sido de investigação e contactos com os moradores. Lídia Cristo lembra que começou por andar no bairro, a pé, a falar com as pessoas e “fui-me apercebendo de que, apesar da criatividade, os moradores, principalmente as camadas mais jovens, queixam-se de uma grande falta de informação a outros níveis”. Aliás, prossegue, “em Novembro do ano passado, sobemos do encontro anual de moradores, no âmbito do projecto camarário Nosso Bairro, Nossa Cidade e estivemos presentes, enquanto observadores e foi uma experiência muito rica... ouvimos muitos pedidos de iniciativas, sugestões e concluímos que estavamos a trabalhar no bom sentido e que existem ainda muitas áreas onde intervir”.

De reunião em reunião, depois de vários contactos e apresentações feitas, a recente associação pretende, para além do desenvolvimento de projectos de inclusão social,  participar, promover e colaborar em iniciativas culturais e desportivas, animação em termos de espectáculos e o apoio, acompanhamento e desenvolvimento da rádio da Escola da Bela Vista, “que está a dar os primeiros passos e que promete uma evolução, qualitativa, a breve prazo”, salienta a presidente da Bela Vuah.

Partilhe
ver mais