Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Emprego Saúde Ambiente Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Câmara de Setúbal investe mais de um milhão de euros nas escolas do concelho
ana maria santos
2019-09-11 / 16:42
FONTE: SMCI/CMS
No início de mais um ano lectivo, a Câmara Municipal de Setúbal está a concluir a terceira fase do projecto de recuperação das escolas do concelho, com intervenções que proporcionam maior segurança, conforto, higiene e espaços de actividades mais agradáveis. As obras têm sido realizadas no âmbito de uma candidatura ao POR Lisboa 2020 e o investimento da autarquia ronda um milhão de euros.

Todos queremos as nossas crianças felizes e confortáveis no ambiente escolar que, devido às obrigações familiares, começam a cada ano mais cedo e com uma carga horária cada vez mais alargada.

A autarquia tem tido nos últimos anos essa preocupação e, prova disso, foi a candidatura feita, na área educacional, ao POR Lisboa 2020 que, no ano lectivo que agora se inicia, está na terceira fase de intervenções, algumas delas bastante significativas, nomeadamente a retirada de todas as coberturas de fibrocimento, a melhoria de instalações sanitárias, a substituição da iluminação (para LED’s, mais eficazes e económicas), a colocação de painéis solares (com todas as vantagens, nomeadamente ambientais), a retirada de gradeamentos e a requalificação dos espaços exteriores foram algumas das obras realizadas em todas as escolas do concelho, muitas das quais receberam ainda novo piso e mobiliário para as salas de aula.

Em entrevista realizada a Ricardo Oliveira, vereador com o pelouro da Educação na Câmara Municipal de Setúbal, aquele responsável começou por explicar que, este ano, “concluimos a terceira fase do projecto de requalificação das escolas do concelho tendo as intervenções realizadas sido executadas, maioritáriamente, sob a responsabilidade da autarquia e as restantes através de protocolos de descentralização com as Juntas de Freguesia, “num investimento de cerca de um milhão de euros”.

Até ao momento foram realizadas intervenções na escola do Faralhão, um edifício centenário, junto à Igreja e a necessitar de obras, nomeadamente a nível de pinturas e remodelação das casas de banho; na escola da Azeda, onde foram executadas obras de maior envergadura, com a substituição de toda a cobertura do edifício, colocação de novos pisos em sala de aula, ampliação da área da cozinha, pinturas interiores e exteriores, construção de uma nova portaria e alargamento do passeio junto à mesma (o que permite uma maior segurança para as crianças e uma maior fluidez de trânsito, na avenida Coração de Maria), colocação de painéis solares e outros arranjos exteriores.

Duas outras obras de maior envergadura foram realizadas nas escolas do Peixe Frito e da Bela Vista onde, na primeira, toda a cobertura de fibrocimento foi igualmente substituida, bem como a colocação de novos pisos em sala de aula, pinturas interiores e exteriores e de alteração dos painéis, exteriores, que faziam parte das salas de aula e que davam desconforto térmico a docentes e alunos. Esta última intervenção, ainda em fase de conclusão, consistiu na retirada de todo o gradeamento existente ao nível do rés-do-chão e na colocação de estores exteriores, o que irá proporcionar o conforto térmico necessário.

Na básica da Bela Vista a degradação, nomeadamente a nível dos espaços exteriores, era bastante evidente e, desde há muito, a necessitar da intervenção que agora se concretizou, “de grande abrangência” com “pinturas, colocação de estores em toda a escola, o que permite mais segurança e melhores condições térmicas, bem como foram concretizados todos os arranjos exteriores da escola”, segundo Ricardo Oliveira. Aliás, aquele estabelecimento de ensino é frequentado por crianças provenientes dos bairros que inserem o projecto “Nosso Bairro, Nossa Cidade”, maioritáriamente de familias muito pobres e com vários problemas complicados mas que, segundo o vereador, “é uma escola onde tem vindo a ser feito um trabalho extraordinário e muito importante, de grande valorização das crianças e das famílias, onde se tem apostado e investido muito” para o que, salienta, “tem contribuído muito o empenhamento de professores e auxiliares”.

Todas as outras escolas do concelho foram intervencionadas, com a renovação de pisos, pinturas, interiores e exteriores, a eliminação de todos os materiais que já não ofereciam condições de conforto e segurança ao bom funcionamento dos estabelecimentos de ensino e, paralelamente, foram criadas algumas novas valências, tal como aconteceu em Azeitão, na escola Casal de Bolinhos e na Brejoeira,  com a remodelação de algumas salas de aula para as crianças em idade pré-escolar.

As intervenções, que tal como já referido abrangeram todas as escolas do concelho, sob a responsabilidade da autarquia, irão repetir-se sempre que necessário e existem novidades que serão oportunamente divulgadas, tais como alterações significativas na escola de Santa Maria (para a qual está a ser preparada uma candidatura) e a eliminação dos regimes duplos, plano este que está a ser preparado para o próximo Quadro Comunitário.

A partir deste ano lectivo todas as crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo irão estar abrangidas por novas ofertas educativas, complementares, que o município analisou, juntamente com os Agrupamentos,  “através da aprendizagem pelas artes e as ciências experimentais, de forma a trabalhar competências”, salientou o vereador Ricardo Oliveira.

Em forma de balanço da totalidade das obras realizadas, o responsável pela área educativa do concelho de Setúbal sublinha a retirada das coberturas de fibrocimento e refere que Setúbal “é um dos concelhos que não tem qualquer escola, sob a sua responsabilidade, com aquele tipo de material” e lamenta que os estabelecimentos de ensino, aqui existentes e sob a responsabilidade do Ministério da Educação, como é o caso da básica de Arangues e da secundária D. Manuel Martins, “não tenham sido alvo da mesma substituição, uma questão que está relacionada com as questões de saúde pública, principalmente das crianças e de todos os que trabalham naquelas escolas do concelho”.

Partilhe
ver mais