Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Chama da Solidariedade fecha o círculo distrital em Setúbal
ana maria santos
2018-05-09 / 22:40
FONTE: SMCI/CMS
A Chama da Solidariedade, símbolo de um dos mais nobres valores humanos, chegou esta tarde ao município de Setúbal, depois de um périplo de um ano que levou aquele ícone a todos os cantos do distrito setubalense.

Decorreu, esta tarde, na escadaria do edifício dos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Setúbal, a passagem de testemunho da entrega da Chama da Solidariedade, vinda do concelho de Sesimbra, da Chama da Solidariedade, símbolo que a presidente da autarquia, Maria das Dores Meira, classificou como um esforço conjunto para a concretização de "uma sociedade mais justa e mais solidária".

Na cerimónia, a autarca enalteceu a importância das instituições particulares de solidariedade social de Setúbal que, cada vez mais, assumem "maior relevância num contexto em que o Estado abandona deveres e funções inalienáveis", defendendo "a presença forte do Estado neste sector, seja na manutenção das suas capacidades, seja com o apoio permanente às instituições particulares de solidariedade social para que todos, sem excepção, possam ter acesso a serviços essenciais à dignidade humana".

Dores Meira vincou ainda que são essas as  instituições que "acolhem quem necessita e, muitas vezes, com enorme imaginação para rentabilizar recursos escassos e satisfazer necessidades incomensuráveis" e que, por isso, há que "manter bem viva e acesa" a Chama da Solidariedade.

Um trabalho que, destacou, é alargado à Câmara Municipal de Setúbal, instituição que se "esforça, diariamente, para que esta chama se mantenha acesa, quer apoiando no que é possível estas instituições, quer, também, das mais variadas formas, praticando estes valores".

A cerimónia desta tarde marcou o início do último mês da Chama da Solidariedade no distrito de Setúbal, depois de um ano intenso de actividades. "Fez milhares de quilómetros", sublinhou o presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social, Fernando Sousa.

A Chama da Solidariedade integra a Festa da Solidariedade, uma iniciativa da CNIS – Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade que se iniciou em Lisboa em 2007, lançada com o objectivo de acarinhar e propagar os valores que unem as diferentes instituições e dar a conhecer à sociedade o trabalho desenvolvido no sentido de promover a importância do espírito de partilha.

A Chama da Solidariedade, frisou Fernando Sousa, "esteve presente em todos os cantos do distrito, em inúmeras actividades e iniciativas, e procurou despertar e manter acesa a solidariedade que é necessária em todos, sem excepção, para a construção de um mundo melhor".

A acompanhar a Chama da Solidariedade veio um livro, com testemunhos e trabalhos de todas as instituições pela qual o objecto passou. "É a materialização da expressão da solidariedade", vincou aquele responsável, para depois acrescentar que a cerimónia desta tarde é "o culminar de um ano intenso".

O vereador da Câmara Municipal de Sesimbra Sérgio Marcelino, que passou o testemunho desta iniciativa a Setúbal, destacou que a Chama da Solidariedade é o símbolo da "resposta a um trabalho de muitos que é feito em prol dos outros" e que, por isso, merece o apoio de todos.

A cerimónia contou ainda com um apontamento musical do Coro da Universidade Sénior de Setúbal.

A União das Instituições Particulares de Solidariedade Social de Setúbal, incumbida pela CNIS da organização da Festa da Solidariedade 2018 e da Chama da Solidariedade 2017-2018, recebeu o testemunho do Funchal a 27 de Julho do ano passado, numa cerimónia que decorreu na cidade de Setúbal, e ficou responsável por manter a chama acesa até Junho deste ano.

A chama ficou na Cáritas Diocesana de Setúbal de 27 de Julho a 9 de Setembro e realizou depois um périplo pelos 13 concelhos do distrito de Setúbal, que culmina agora no município sadino, onde, durante um mês, vai passar por várias instituições em momentos que incluem a realização de actividades de cariz cultural, desportivo e social.

A iniciativa termina com a Festa da Solidariedade 2018, a 9 de Junho, no Largo José Afonso, que inclui a realização de actividades como um peddy-paper e a passagem do testemunho à próxima UDIPSS a ficar responsável por manter a chama acesa.

A Festa da Solidariedade assume-se como um momento de afirmação do trabalho diário das instituições particulares de solidariedade social, culminando um ano lectivo repleto de iniciativas que desenvolveram em parceria com os municípios e com toda a sociedade.

Partilhe
em destaque
Operação Baco: GNR registou mais de mil condutores com excesso de álcool
Apreensão de droga em Almada: Tribunal decreta prisão preventiva para dois dos detidos
Moita: Plano de Segurança da Água apresentado publicamente
Seixal: visita à Olaria Romana da Quinta do Rouxinol
ver mais