Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Festival da Liberdade: Nota negativa que (ainda) pode ser resolvida
ana maria santos
2017-06-17 / 02:47
FONTE: Gazeta Setubalense
Não fossem as tendas montadas ao longo do Parque Urbano de Albarquel, em Setúbal, o dia seria igual a tantos outros naquele local da cidade, procurado por dezenas de pessoas que ali encontram, a sombra, o sossego e a frescura da água para momentos de descontração e lazer. Mas hoje era um dia diferente. O Festival Liberdade 2017, uma iniciativa da Associação dos Municípios da Região de Setúbal havia começado e, para além dos habituais frequentadores, o recinto apresentava propostas, culturais e musicais, várias.

Há festa no Parque Urbano de Albarquel e, apesar do intenso calor, desde meio da tarde de ontem que foram muitos os que se dirigiram para o local tal como nós que, acompanhados por dois “velhos” colegas de profissão, optámos por chegar bem cedo ao recinto.

Nada de novo a assinalar. Muitas pessoas a aproveitarem o pequeno areal e a água do rio (espaço onde se encontra vária sinalização de aviso de que aquele não é um espaço balnear e que existem perigos associados), vários outros em brincadeiras feitas à sombra das árvores, actividades nas tendas temáticas do recinto, nomeadamente na tenda da Juventude e na zona de Desporto. Ou seja, não fossem as tendas espalhadas, teria sido um dia normal no PUA.

Mas não era, mesmo. A Associação de Municípios da Região de Setúbal havia escolhido esta cidade, para a edição de 2017 da realização do Festival Liberdade, iniciativa que reúne todos os municípios na divulgação do que de melhor se faz a nível associativo em toda a região criando, através deste festival, a oportunidade dos mesmos mostrarem a sua actividade, os seus projectos e a sua visão quanto ao futuro.

A par da mostra, o evento tem sempre associados concertos com os melhores grupos musicais portugueses que, no caso deste ano, foram Bezegol, Diogo Piçarra e Amor Electro, ontem e, hoje, já daqui a pouco, Supernova, Capicua e Xutos & Pontapés.

Mas vamos ao que interessa! Tal como já referi, o ambiente estava fantástico, as pessoas divertiam-se, o recinto foi começando a encher (mais ainda) depois das 20 horas, as filas foram aumentando frente aos espaços de venda de comidas e bebidas, os concertos começaram e o Parque Urbano de Albarquel transformou-se numa imensa massa de gente que, ou estava a assistir aos concertos, ou estava a inteirar-se do que as tendas temáticas tinham para transmitir, ou estavam a assistir a exibições várias, de dança, artes teatrais, desporto ou, simplesmente, na beira do rio a ouvir as bandas em palco e a tentar refrescar-se do calor, humano e ambiental, do recinto.

No entanto, e quando tudo fazia daquela uma noite perfeita, demo-nos conta de uma falha, grave, na organização do evento: O acesso ao local que era, também, o acesso para a saída do mesmo.

Como todos os que conhecem o PUA, o recinto tem duas entradas. A principal, a partir da avenida José Mourinho e a outra, a partir da EN10-4, que dá acesso a um restaurante e, por sua vez, ao dito Parque.

Ora, acontece, que o acesso de cima, através da EN10, esteve encerrado ontem à noite, ficando, como único acesso a entrada principal o que levou, principalmente a partir das 21/22 horas, a que quem ali chegava se fosse concentrando junto ao palco principal, obstruíndo o acesso a quem entrava e a quem pretendia sair, criando naquele local uma massa humana que, para o bem, dificultavam, em muito, a circulação no local e, para o mal, se algum “engraçadinho” tivesse a infeliz ideia de, por exemplo, rebentar um petardo, iria ser complicado!!

Gostámos muito do que vimos, as pessoas estavam a divertir-se (nota importante), os espectáculos, cada um deles, não foi longo, apenas o suficiente para satisfazer os fãs mas, sinceramente, o acesso ao recinto tem que ser revisto, mesmo que faltem poucas horas para a enchente que o PUA irá ter com as bandas em palco, já esta noite.

Nota: Com tanta força policial no recinto, pública e privada, basta, sugerimos nós, não deixar quem entra “estacionar” na lateral do palco. Ou, criar duas barreiras (uma de entrada e outra de saída) de circulação o que, desde logo, irá evitar a concentração de pessoas naquele local.

Partilhe
em destaque
Direcção dos Bombeiros de Águas de Moura agradece empenho dos seus operacionais
Elvira Fortunato distinguida com Prémio Czochralski 2017
Conselho de Ministros aprova Decreto-Lei relativo aos terrenos da Margueira
Homem detido por posse de mais de cinco mil doses de droga
ver mais