Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Pub
Sociedade
PJ deteve dois homens por burla qualificada e falsificação de documentos
ana maria santos
2017-04-21 / 18:53
FONTE: DR
Dois homens, de 57 e 62 anos, foram detidos pela Polícia Judiciária de Setúbal, pelos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos.

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal, localizou, identificou e deteve, fora de flagrante delito, dois homens por sobre eles recaíem fortes indícios da prática dos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos, informou hoje, em comunicado, aquela polícia de investigação.

Os dois homens eram sócios de uma empresa metalúrgica, sedeada no Seixal, tendo celebrado com uma outra sociedade comercial um contracto de utilização de trabalho temporário, que vigorou entre 2014 e 2015, cessando em 2016, por incumprimento contractual.

Segundo a PJ, com créditos de valor superior a 400 mil euros, relactivos a facturas vencidas, “a empresa de trabalho temporário intentou uma acção executiva contra o devedor, a quem foram penhorados diversos créditos sobre clientes”.

Simulando uma cessão de quotas, por um euro, a um terceiro, que se encontra preso pela prática de outros crimes de natureza patrimonial, “agindo este no seu interesse, os autores lograram celebrar um acordo de pagamento com o credor, forjando documentos bancários que, supostamente, demonstravam a transferência do valor acordado”.

Daquela forma, readquirindo, mais tarde, as quotas da sociedade metalúrgica, pelo valor que as tinham vendido, os detidos causaram na empresa de trabalho temporário, “um prejuízo patrimonial correspondente aos valores em dívida e, cancelada a penhora com base no acordo celebrado, beneficiaram, ainda, dos créditos que possuíam sobre clientes”, refere a PJ no comunicado.

Partilhe
em destaque
Setúbal: Definidas regras de selecção ao acesso e atribuição de habitação municipal
Câmara de Setúbal assume gestão das praias da Arrábida
Cerca de 19 quilos de cocaína apreendidos no Montijo
São Torpes: Buscas deverão prosseguir amanhã após “reavaliação de meios”
ver mais