Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Setúbal: avenida de Moçambique vai ser alargada e requalificada
ana maria santos
2019-03-07 / 11:29
FONTE: Youtube
A Câmara Municipal de Setúbal aprovou ontem, em reunião pública, a celebração de um contrato para a execução do prolongamento, requalificação e alargamento da avenida de Moçambique, operação urbanística que inclui a conclusão do troço da Via Principal da Várzea. Ainda naquela área da cidade, o actual edifício do Lidl vai ser demolido e irá ser construída uma nova loja, com uma área de implantação diferente e de maior dimensão.

Enquadrada no projecto do Parque Urbano da Várzea, que leva à reformulação da circulação viária em toda aquela área da cidade, a obra abrange ainda a avenida de Moçambique, localizada a norte do futuro Parque, que será intervencionada numa empreitada orçada em 597 mil e 17,90 euros, prevista ao abrigo de um contrato a celebrar entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Lidl & Companhia.

“Pretende a Lidl & Companhia, através da celebração de um contrato de empreitada, proceder à realização das obras conducentes à requalificação, prolongamento e ampliação da avenida de Moçambique, disponibilizando-se para, consequentemente, assumir os valores que lhes estiveram associados”, indica aquela deliberação.

O prolongamento da referida via, em aproximadamente 380 metros e que passa a estar ligada à Estrada dos Ciprestes, é um dos principais objectivos a concretizar com aquela intervenção.

Além da acção de prolongamento, aquela avenida será também requalificada com a introdução de novas soluções de mobilidade urbana e ampliada por forma a poder receber mais infraestruturas, designadamente áreas de circulação pedonal, um sistema de drenagem de águas pluviais e uma ciclovia.

A operação urbanística engloba ainda a conclusão da Via Principal da Várzea, cuja primeira fase já havia sido executada pela autarquia. Naquele caso, os trabalhos incluem o prolongamento em 361 metros e a respectiva ligação à Estrada dos Ciprestes, esta última com a execução de um troço com 89 metros.

O prolongamento da Via Principal da Várzea vai seguir o perfil existente, no qual se destacam uma ampla zona de circulação pedonal, complementado por uma linha de vegetação arbórea, e novas bolsas de estacionamento automóvel.

As intervenções a realizar permitem a implementação de um novo esquema de trânsito em “anel”, com sentidos únicos de circulação rodoviária, concretamente na Estrada dos Ciprestes, que passa a ter trânsito apenas no sentido sul/norte, enquanto na Via Principal da Várzea a circulação vai processar-se no sentido norte/sul.

Ainda para aquela área da cidade, foi igualmente aprovada, na referida reunião camarária, a celebração de um contrato de urbanização com a Lidl & Companhia para a remodelação e ampliação da unidade comercial instalada na área da Quinta do Paraíso.

A proposta urbanística, com projecto de arquitetura já aprovado pela Câmara Municipal de Setúbal, tem como objectivo a demolição do actual edifício do Lidl, com acesso pela avenida de Moçambique, e a construção de nova loja, com uma área de implantação diferente e maior dimensão.

Aquela operação contempla a beneficiação do espaço público, com a execução de um arruamento pedonal que inclui uma nova bolsa de estacionamento automóvel e dotado de redes eléctrica e de drenagem de águas pluviais. O arranjo paisagístico da área está igualmente contemplado no mesmo projecto.

A deliberação camarária indica que aquelas beneficiações são realizadas “numa parcela na qual não existia qualquer tratamento urbano”, acrescentando que o projecto se traduz, igualmente, no “aumento dos lugares de estacionamento ordenado disponíveis” tanto para clientes da loja como para moradores da zona envolvente.

A operação urbanística aprovada pela autarquia está sujeita ao pagamento de taxas de realização, manutenção e reforço de infraestruturas no montante de 30 mil e 763,80 euros, sendo que a obra no espaço público, igualmente a cargo da Lidl & Companhia, tem o valor de 248 mil e 796,51 euros.

Partilhe
ver mais