Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Setúbal: Pelourinho da Praça Marquês de Pombal ilumina-se pela abolição da pena de morte
ana maria santos
2017-11-24 / 22:42
FONTE: Youtube
Setúbal assinala o Dia Internacional Cidades pela Vida – Cidades Contra a Pena de Morte, a 30 de Novembro, com a iluminação do pelourinho, localizado na Praça Marquês de Pombal, e a colocação de uma faixa alusiva à efeméride.

A autarquia sadina, numa resposta ao desafio lançado pela Comunidade de Sant’Egídio, volta a associar-se a um movimento que representa a maior mobilização abolicionista a nível mundial, com a adesão de mais de duas mil cidades espalhadas pelos cinco continentes.

Assim, no dia 30, ao cair da noite, é iluminado o pelourinho, localizado na Praça Marquês de Pombal, junto do qual fica colocada, ao longo do dia, uma faixa em que consta a frase “Cidade contra a pena de morte”.

O Dia Internacional “Cities For Life”, Cidades pela Vida – Cidades Contra a Pena de Morte é um movimento de âmbito mundial que teve origem em 2002, por iniciativa da Comunidade de Sant’Egídio, para assinalar o aniversário da primeira abolição da pena capital, registada no Grão-Ducado da Toscana, Itália, a 30 de Novembro de 1786.

A nível mundial, 140 países já aboliram na lei ou na prática a pena capital, dos quais 102 são totalmente abolicionistas, de acordo com dados da Amnistia Internacional, sendo a China, o Irão, a Arábia Saudita, o Iraque e o Paquistão os países que mais praticam a pena de morte.

Em 2016, houve um total de 1032 execuções em 23 países, o que corresponde a uma diminuição de 37 por cento relativamente a 2015.

Partilhe
ver mais