Secções

Opinião Sociedade Economia Política Região Turismo Cultura Desporto País Especiais Emprego Tecnologia Saúde Ambiente Inovação Internacional Cartaz Directório Mundo Entrevista Exclusivo Editorial

Directório

Adicionar Entidade 

Sobre

Termos e Condições Privacidade e Cookies Acordo Ortográfico Regras da Comunidade Ficha Técnica Estatuto Editorial Contactos

Siga-nos

Facebook Twitter
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form
Pesquisar
GAZETA SETUBALENSE
A informação na hora certa.
Sociedade
Temperaturas vão subir (muito) nos próximos dias
ana maria santos
2018-07-30 / 17:14
FONTE: Youtube
Responsáveis da Protecção Civil, Direcção-Geral da Saúde e Meteorologia deram esta tarde uma conferência de imprensa para alertar, e também tranquilizar, a população para as previsões do brusco aumento de subida das temperaturas que, a partir da tarde de amanhã já se começam a fazer sentir.

No decorrer do encontro com os jornalistas , Patrícia Gaspar, da Autoridade Nacional de Protecção Civil reforçou as acções desenvolvidas na monitorização da floresta, pré-posicionamento de bombeiros e o envolvimento dos serviços municipais de protecção civil no aumento da prontidão, face à onda de calor que, referiu, pode ter "máximos históricos" e que podem chegar, em algumas regiões do interior do país, aos 45 graus, o que leva a cuidados redobrados em termos de saúde pública e na propagação de incêndios , o que levou Patrícia Gaspar a sublinhar que o uso do fogo terá “tolerância zero”.

De momento, e até amanhã à noite, o interior do país está em “estado de alerta especial”, e a Protecção Civil em articulação com as Forças Armadas, Instituto de Conservação da Natureza e GNR em termos de patrulhamentos da floresta, para prevenir incêndios, disse aquela responsável da ANPC.

A partir de terça-feira vai registar-se um aumento da temperatura, vai haver mais vento e a humidade vai ser reduzida, com valores da temperatura “muito acima dos habituais”, alertou Nuno Moreira, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Uma onda de calor como a que vai atingir o país nos próximos dias, com quinta-feira a ser o dia mais quente, “já aconteceu e não é novidade”, mas nalguns locais podem registar-se “máximos históricos” de temperatura, referiu.

O responsável salientou que as actuais condições atmosféricas vão mudar “de forma bastante brusca” e que a situação de muito calor deve prolongar-se por pelo menos quatro dias, sendo que as noites serão “tropicais”, já que as temperaturas mínimas não vão baixar muito.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou o continente em “aviso laranja” a partir de quarta-feira, tendo Nuno Moreira referido  que são esperadas poeiras no ar, vindas do norte de África, em particular no sul do país.

A situação, alertou Diogo Cruz, da Direcção-Geral da Saúde, deve levar a população a tomar medidas de protecção, como estarem em ambientes frescos, procurar manter frescas as habitações, e beber muita água, evitando o álcool.

Na condução também atenção especial ao calor e ao facto de os veículos expostos ao sol aquecerem muito, e também especial atenção às pessoas mais vulneráveis, como crianças, idosos, pessoas com doenças crónicas, grávidas e pessoas em locais isolados, salientou também aquele responsável.

Partilhe
ver mais